Jefferson de Moura Costa e suspeito de estuprar diarista na zona Leste de Teresina

Juíza Nilcimar Rodrigues de Araújo Carvalho, da 5ª Vara da Comarca do município de Picos, decretou nesta terça-feira (03), uma nova prisão preventiva ao advogado Jefferson Moura Costa, de 45 anos.

A decisão se refere ao homicídio contra o cabo do Exército Arione de Moura Lima, ocorrido no ano de 2010, no município de Picos.

O advogado segue preso na Penitenciária Irmão Guido, acusado de estuprar uma diarista dentro do seu apartamento na zona Leste de Teresina no dia 14 de julho deste ano. Conforme a decisão, a reiteração delituosa do acusado demonstra sua predisposição para a prática de crimes de diferentes naturezas, em especial aqueles considerados de gravidade mais acentuada, ditos como hediondos.

“Permitir ao agente que permaneça em liberdade, neste momento, provocará sensação de insegurança e descrença nos meios de contenção e prevenção de crimes utilizados pelo Estado. A prisão preventiva, como dito, é medida última que a lei dispõe e para tal devem existir elementos seguros que a justifiquem e no caso dos autos, consigo enxergar tais condições tanto pelo fato delituoso apurado nesta ação penal quanto pela conduta supostamente praticado pelo réu (estupro), quando a ele foi concedida a possibilidade de permanecer em liberdade e, mesmo assim, incorreu em novo ato delituoso de extrema gravidade”, ressalta a juíza.

Veja aqui⇒ DECISÃO

O caso

Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado, no dia 25 de abril de 2010,  Jefferson Moura atirou no tórax contra Arione de Moura Lima, de 23 anos, cabo do 3º BEC, ocasionando morte imediata. O crime aconteceu na calçada da residência da vítima, localizada na rua Projetada 187, bairro Paraibinha, em Picos.

Advogado Jefferson Moura tem nova prisão decretada por morte de cabo do Exército (Foto: Redes Sociais)
Advogado Jefferson Moura tem nova prisão decretada por morte de cabo do Exército (Foto: Redes Sociais)

O advogado chegou a ser preso, mas foi solto no dia seguinte e, posteriormente, conseguiu um habeas corpus para não ser preso. Em 2014, o MP-PI chegou a pedir a prisão preventiva de Jefferson Moura, mas o pedido foi negado pela juíza Nilcimar.

*Com as informações do Meio Norte