Auxílio Emergencial da Caixa.

Um Projeto de Lei (PL), de autoria do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), propõe uma nova prorrogação do auxílio emergencial de R$ 300.

Desta forma, seriam realizados mais três pagamentos do benefício, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2021.

Tanto o auxílio emergencial quanto o estado de calamidade pública decretado em função da pandemia, que possibilitou a realização dos pagamentos, chegam ao fim em 31 de dezembro de 2021. Assim, parlamentares começaram a discutir uma possível prorrogação de ambas as medidas, mas ainda não há uma previsão de quando a proposta será apreciada.

O projeto propõe que o auxílio seja estendido até março de 2021, uma vez que a vacinação ainda levará tempo, e a população continua sofrendo os efeitos econômicos da pandemia. “O fato é que, por conta da inércia do governo federal, simplesmente não teremos um programa nacional de vacinação em execução antes de março. É preciso fazer essa ponte para manter o mínimo de estabilidade social até lá”, disse o autor do PL.

O auxílio emergencial previa inicialmente o pagamento de três parcelas de R$ 600 para trabalhadores informais, MEIs, desempregados e pessoas de baixa renda. Em seguida, o benefício foi prorrogado por mais dois meses, com o valor inicial mantido. Em setembro, uma nova prorrogação garantiu o pagamento de mais quatro parcelas até dezembro, no valor de R$ 300.

O que diz o Governo sobre a proposta?

Tanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, já se mostraram contrários à ideia de prorrogar o auxílio emergencial até março do ano que vem.

Recentemente, Bolsonaro defendeu que é preciso retomar o trabalho ao invés de manter o benefício. “Nada mais dignifica o homem do que trabalho, é o que nós precisamos. Temos internamente os nossos problemas, ajudamos o povo do Brasil com alguns projetos, por ocasião da pandemia. (…) Alguns querem perpetuar tais benefícios, ninguém vive dessa forma, é o caminho certo para o insucesso”, declarou.

O ministro da Economia também é contra prorrogar o auxílio emergencial muitas vezes. Em outra ocasião, Guedes também foi enfático ao declarar que não há qualquer probabilidade ou sequer discussão sobre uma nova extensão do benefício no governo.

*Com as informações do Brasil News