Tóquio registrou nesta quinta-feira (15/04) o número mais alto de novas infecções pelo coronavírus desde fevereiro

Um membro do alto escalão do partido governante do Japão afirmou, nesta quinta-feira (15/04), que o cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, agendados para serem realizados em menos de três meses, está entre as opções cogitadas caso as infecções pelo novo coronavírus continuarem a aumentar no país.

“Se parecer impossível [sediar os Jogos], então temos que suspendê-los, decisivamente”, disse Toshihiro Nikai, o secretário-geral de longa data do Partido Liberal Democrata do Japão, em entrevista à emissora local TBS. O cancelamento é “claro” uma opção, e acrescentou: “Se os Jogos Olímpicos espalharem a infecção, então para que servem os Jogos Olímpicos?”

É a primeira vez que uma figura do alto escalão do governo admitiu oficialmente que o evento esportivo pode não ocorrer caso a situação da epidemia de covid-19 se intensificar no Japão. Nikai é um mediador de poder altamente influente na política japonesa, e sua intervenção levantará dúvidas sobre se os Jogos Olímpicos – adiados do ano passado – devam ser realizados.

A fala de Nikai causou um rebuliço nas redes sociais no Japão – a hashtag “Olympics Canceled” (Jogos Olímpicos cancelados) esteve entre as mais populares no Japão nesta quinta-feira.

“Se essa pessoa diz isso, o cancelamento dos Jogos Olímpicos parece uma realidade”, escreveu um usuário, em referência à posição e à reputação de Nikai. “Eba! Isso é ótimo! Finalmente, foi cancelado, cancelado, cancelado!”, escreveu outro usuário.

Mais tarde, Nikai emitiu uma declaração por escrito para explicar sua posição. “Quero que os Jogos Olímpicos e os Jogos Paralímpicos de Tóquio tenham sucesso”, disse o comunicado. “Ao mesmo tempo, quanto à questão de saber se sediaríamos os Jogos de qualquer maneira, esse não é o caso. Era isso que eu quis dizer com meus comentários.”

Os comentários de Nikai foram feitos menos de 24 horas depois de o vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional )COI), John Coates, ter dito a repórteres que o cancelamento dos Jogos de Tóquio “certamente não está” em discussão.

“Os Jogos de Tóquio serão a luz no fim do túnel”, disse Coates, na quarta-feira, no mesmo dia em que a seção do revezamento da tocha olímpica pela cidade de Matsuyama foi cancelada em meio a temores de um aumento de infecções.

Com o Japão em meio a uma quarta onda de infecções pelo coronavírus, as dúvidas sobre se Tóquio seria capaz de sediar os Jogos – uma ideia impopular entre a opinião pública – ressurgiram nas últimas semanas.

A capital Tóquio registrou 729 novos casos de covid-19 na quinta-feira, o número diário mais alto desde o início de fevereiro. Tóquio, Osaka e outras prefeituras implementaram um estado prévio ao de emergência neste mês.

O Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio 2020 respondeu aos comentários de Nikai com uma declaração em que afirma que todos os envolvidos na preparação dos Jogos seguem totalmente focados em realizá-los. “Todos nossos parceiros, incluindo o governo nacional, o governo metropolitano de Tóquio, o COI e o IPC [Comitê Paralímpico Internacional] estão totalmente focados em sediar os Jogos neste ano.”

O início dos Jogos Olímpicos está agendado para 23 de julho. As autoridades japonesas já barraram a presença de público estrangeiro, além de um distanciamento social estrito e regimes rígidos de testagens implementados como uma forma de frear transmissões.

Desde o início da pandemia, o Japão registrou 521.700 mil casos de infecção e 9.505 mortes relacionadas à covid-19, segundo dados compilados pela universidade americana Johns Hopkins.

“Com as informações do DW pv (lusa, afp, rtr)