Fonte SBT

O neurocirurgião Daniel França, marido da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), negou, neste domingo (25), qualquer possibilidade de ter agredido a esposa.

Ele falou com jornalistas no apartamento funcional da parlamentar. Joice está com fraturas e hematomas pelo corpo desde a madrugada do dia 18, quando acordou ensanguentada, e não lembra como os ferimentos aconteceram.

— Primeira coisa, eu nunca agredi ninguém, nunca dei um tapa em ninguém, nem um murro em ninguém. Segunda coisa, eu não tenho nenhum motivo para fazer isso, eu jamais faria isso. Então, é exatamente por esta razão que tudo o que eu pude fazer para tentar comprovar o contrário, eu estou fazendo. Fui espontaneamente à polícia prestar depoimento. Me coloquei inteiramente à disposição de tudo, da imprensa, de tudo —  afirmou França.

França foi quem socorreu a mulher. Questionados sobre a demora para registrar uma ocorrência sobre o caso, o que só foi feito na quinta (22), e também para procurar o hospital, o que se deu na terça-feira (20), o casal afirmou que imaginou, no começo, se tratar de um acidente doméstico.

— Até quarta de manhã, eu tinha achado que tinha tomado um tombo, mas foram aparecendo hematomas em lugares que não tinha aparecido — disse a deputada.

— Quando eu a vi, a primeira hipótese que ela me falou foi “eu caí, eu caí”. Aí, depois pensei se tratar de um acidente doméstico — afirmou o médico.

França disse ainda que nunca viu nenhum episódio de sonambulismo da deputada, apesar de afirmar que o medicamento que ela toma para dormir poder gerar sonambulismo. O casal não descarta completamente a possibilidade de um acidente doméstico, mas afirmam que, após receberem os resultados dos exames feitos no hospital, passaram a considerar a possibilidade de uma agressão.

Joice suspeita que uma pessoa tenha entrado no apartamento, onde ela estava com o marido, e provocado as agressões. Ela afirmou ter dois suspeitos, ambos de nomes da política, sendo um deles um parlamentar. Joice, porém, se recusa a dizer os nomes, mas afirmou ter relatado quem são ao Departamento de Polícia Legislativa (Depol), responsável pela investigação.

— Um grande desafeto político que tem acesso muito fácil a esse bloco. Se alguém entrou aqui, não é coisa de amador — disse ela sobre um dos suspeitos.

Na entrevista coletiva deste domingo, Joice contou que moram no seu bloco a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o deputado Efraim Filho (DEM-PB), líder do DEM na Câmara, que é seu vizinho de porta. Além dos dois, segundo a deputada, o presidente do PSL, Luciano Bivar (PSL-PE), também tem um apartamento no seu bloco. Os dois estão em atrito político desde que ela anunciou sua saída do partido no mês passado.

— Enquanto pode ter um bandido profissional mandado para me executar, esses papagaios imbecis de internet querem manchar a honra de um homem que se dedica a salvar vidas e que salvou a minha — criticou, em referência às acusações que o marido tem recebido nas redes de supostamente tê-la agredido.

A Depol abriu uma investigação para apurar o que ocorreu com a deputada. Na sexta-feira (23), ela prestou depoimento na Polícia Legislativa, que atua no Congresso Nacional. O Depol é o órgão responsável por cuidar da segurança dos parlamentares.

“O Depol está ouvindo pessoas e analisando imagens do circuito fechado de TV do prédio em que a deputada reside”, diz a nota da Câmara.

A investigação está sob sigilo. Segundo a deputada, a Polícia Civil de São Paulo também acompanha o caso.

“Com as informações do gauchazh