Foto reprodução internet

No momento em que o Brasil atingiu média de 1.105 óbitos nos últimos 7 dias, a maior já registrada desde o início da pandemia, o número de novos casos de Covid-19, no mundo, caiu pela quinta semana consecutiva.

A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 15, pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom, durante coletiva de imprensa da entidade. Segundo Tedros, o total de novas infecções da última semana foi o menor desde outubro, mesmo diante do surgimento de novas cepas do coronavírus. Também neste começo de semana, a OMS aprovou o uso emergencial de vacinas da Universidade de Oxford/AstraZeneca desenvolvidas pelos laboratórios na Coreia do Sul e na Índia.

Segundo Tedros, o total de novas infecções da última semana foi o menor desde outubro, mesmo diante do surgimento de novas cepas do coronavírus

A adição dos imunizantes na lista de uso emergencial do órgão abre caminho para que as vacinas sejam distribuídas pelo consórcio internacional Covax/Facility, do qual o Brasil faz parte. Com isso, o país deve receber 1,6 milhão de doses ainda neste trimestre e outras seis milhões até o mês de junho.

Países que não têm acesso às vacinas até agora poderão finalmente iniciar a vacinação nos trabalhadores de saúde e na população de risco, contribuindo com o objetivo do consórcio, que é equilibrar a distribuição de vacinas no mundo”, afirmou a dra. Mariângela Simão, subdiretora-geral de acessos a medicamentos da OMS, em nota publicada pelo órgão.

Neste domingo, 14, o Brasil chegou ao número de 9.833.965 casos e 239.294 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia. De acordo com o levantamento do consórcio de imprensa (G1, O Globo, Extra, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e UOL), foram registradas 647 mortes nas últimas 24 horas, o que dá uma média de 1.105 óbitos nos últimos 7 dias, a maior taxa já registrada desde quando a pandemia foi declarada pela OMS. O recorde anterior era de 1.097, registrado no dia 25 de julho de 2020. São 25 dias com a média acima da marca de mil mortes. A média de casos, nesse mesmo período, é de 44.494 diagnósticos diários.

*Com as informações do Jovem Pan