Empresário Carlos Wizard

Nessa sexta-feira (2), o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso determinou a devolução do passaporte do empresário Carlos Wizard, que estava retido por determinação da CPI da Covid.

O bilionário teve de entregar o passaporte quando chegou dos Estados Unidos porque tinha faltado a uma primeira convocação na CPI.

Segundo Barroso, Wizard cumpriu o compromisso de comparecer ao Senado e, como não há previsão de nova convocação, a retenção do passaporte não é mais necessária. Após a oitiva, a defesa pediu à comissão a devolução do passaporte, o que foi negado.

Carlos Wizard prestou depoimento à CPI na quarta-feira 30 e optou por não responder perguntas. Em rápida fala inicial, negou integrar suposto “gabinete paralelo” que aconselharia o presidente Jair Bolsonaro na pandemia. “Se porventura esse suposto gabinete paralelo existiu, jamais tive qualquer influência”, afirmou.

O empresário negou indisposição em prestar depoimento à comissão e disse que estava nos Estados Unidos desde março porque seu pai, de 87 anos, mora no país e está com a saúde debilitada. Ele citou que a sua filha também reside nos EUA e enfrenta uma gravidez de risco.

“Com as informações do Terra Brasil Noticias