Erupções cutâneas foram os sinais de herpes no menino de três anos; vírus possivelmente foi passado por beijo.

Hayley Etheridge, 24 anos, ficou desesperada ao perceber que erupções cutâneas começaram a aparecer no rosto do seu filho, Baylie-Gray, 3 anos. Após levá-lo ao hospital, os médicos descobriram que ele havia contraído o vírus da herpes. Segundo os profissionais, o vírus da doença é transmitido pela saliva ou contato da pele. Suspeita-se que Baylie-Gray tenha contraído herpes após ser beijado por algum parente, mas não é possível afirmar com certeza quem transmitiu.

“Quando os médicos me disseram que era herpes, fiquei chocada. As pessoas assumem que é sempre transmitido sexualmente, mas não é”, diz.

Em relação ao filho mais velho, a mãe foi informada que, se o vírus atingisse os olhos, ele poderia ficar cedo. “Eu estava absolutamente aterrorizada. Não tinha ideia que um simples vírus de herpes poderia ser tão perigoso para uma criança. Nunca estive tao assustada em toda a minha vida”, lembra.

Reprodução/The Sun

Durante a gestação, a mãe teve um acompanhamento rigoroso de médicos, fazendo exames e tomando medicações para impedir que Vito contraísse a doença. Felizmente, o segundo filho nasceu saudável em maio de 2017. Hoje, todos estão bem e sem sequelas da doença.

Alerta aos pais

Hayley afirma que sua família teve muita sorte ao enfrentar a doença. “A minha história teve um final feliz, mas algumas não tem”, diz. Por isso, atualmente a britânica integra um grupo que faz campanhas de conscientização sobre o vírus e os riscos para fetos, recém-nascidos e crianças no geral.

“Por favor, tenha cuidado com seu bebê. Eles são tão pequenos e frágeis que até mesmo um simples beijo pode acabar com eles”, alerta outros pais. Hayley também luta para que seja obrigatório teste em todas as gestantes para identificar se mãe ou bebê tem o vírus do herpes. Assim, os riscos podem ser amenizados.

As informações são do IG.