Ex-juiz federal Sergio Moro 

O ex-juiz federal Sergio Moro disse, nesta quarta-feira (23), que nunca restringiu a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nos processos que julgou na Operação Lava Jato.

Ele se manifestou poucos minutos após o Supremo Tribunal Federal confirmar, pelo placar de 7 votos a 4, a decisão da Segunda Turma, que o declarou parcial na ação penal do tríplex do Guarujá.

– Os votos dos Mins. Fachin, Barroso, Marco Aurélio e Fux, não reconhecendo vícios ou parcialidade na condenação por corrupção do ex-presidente Lula, correspondem aos fatos ocorridos e ao Direito. Nunca houve qualquer restrição à defesa de Lula, cuja culpa foi reconhecida por dez juízes – escreveu Moro nas redes sociais.

No julgamento, com maioria já formada em favor do petista, os ministros formalizaram a vitória de Lula. O ex-presidente, que se diz vítima de perseguição política, ficou fora das eleições de 2018 e passou 580 dias na prisão, em razão de condenação imposta por Moro.

A defesa do petista pretende estender a declaração de parcialidade do ex-juiz às ações do sítio de Atibaia e do Instituto Lula.

O julgamento sobre a suspeição de Moro encerra um dos últimos capítulos da Operação Lava Jato, enterrada em fevereiro deste ano pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que incorporou as investigações remanescentes e alguns representantes das forças-tarefas a Grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaecos).

*Com informações da AE/Pleno News