Curso de Libras: profissionalização inclusiva atrai os teresinenses

Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Wall Ferraz concluiu duas turmas do curso de Libras

Não é mais novidade que os teresinenses têm buscado a profissionalização através de cursos básicos e avançados.

Com o mercado de trabalho exigente, quem se destaca tem boas chances de conseguir um emprego, por conta disso, jovens e adultos começaram a despertar para o interesse pela Língua Brasileira de Sinais – Libras.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que Teresina possui uma população residente de 33.344 pessoas que afirmam ter problemas auditivos e deste total 1.149 delas possuem deficiência auditiva total ou permanente. Os dados chamaram a atenção do mercado. Para perder clientes, muitas empresas já optam por ter colaboradores habilitados em Libras, além da contratação de pessoas com deficiência (PCD), que apresenta aumento nos últimos anos.

Nesta semana, a Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Wall Ferraz concluiu duas turmas do curso de Libras, profissionalizando 50 teresinenses residentes nos bairros Bela Vista, na zona Sul e Dirceu Arcoverde I, na zona Sudeste. Os cursos integram o Projeto Profissionalizar Teresina e foram realizados em parceria com a União das Entidades Comunitárias da Zona Sul Urbana e Rural de Teresina – UNECOST e a Federação das organizações não governamentais do estado do Piauí – FONGEPI.

Segundo Scheyvan Lima, presidente da Fundação Wall Ferraz – FWF, se tornar especialista e profissional habilitado em Libras pode ser um diferencial, pois segundo ele, a capacidade de comunicação com os surdos abre novas possibilidades. “Com base nisso, buscar especialização na área da Língua Brasileira de Sinais pode ser uma ótima opção. Existem ainda poucos profissionais com qualificação na área e uma grande demanda de exigências do mercado”, afirma.

Glória Silva, aluna do curso, relata que se sentia envergonhada por não poder atender as pessoas com deficiência auditiva e, por isso, buscou a qualificação na área. “Agora eu me sinto preparada. Nunca mais vou me sentir triste por não poder me comunicar com pessoas portadoras dessa deficiência”, comemora a funcionária pública.

Os cursos oferecidos pela Fundação Wall Ferraz são gratuitos. Os interessados em participar devem atentos ao calendário divulgado pelo site fwf.pmt.pi.gov.br . As entidades sem fins lucrativos que desejam serem parceiras na realização de cursos devem procurar a sede da entidade para oficializar a intenção.


 


Fonte:Redação manchetenet/SEMCOM