Datena falou sobre a prisão do DJ Ivis e parabenizou as autoridades do Ceará (Imagem: Reprodução/ Band)

José Luiz Datena noticiou a prisão do DJ Ivis, nesta quarta-feira (14), e aproveitou para parabenizar as autoridades do Ceará. No Brasil Urgente, da Band, o apresentador ainda comemorou a prisão do músico, que aparece em vídeos agredindo a ex-esposa, Pamella Holanda.

“A senhora e o senhor achavam que esse cara ia ser preso? Eu não achava, mas que surpresa boa. Tomara que isso se espalhe para o Brasil e que sirva de exemplo para que a lei seja cumprida. Eu acho que aquelas agressões que eu vi são tentativas de homicídio”, declarou o jornalista.

O comunicador seguiu: “As delegadas da Delegacia da Mulher e as promotoras fazem de tudo para que esses canalhas consigam ir para a cadeia. […] Deveria, por exemplo, aumentar a pena e retirar imediatamente a progressão de pena”.

“Esse é o momento em que o DJ foi preso. Governador [do Ceará] deve ter tido uma participação importante nisso aí. Ele, como o Brasil inteiro e o mundo inteiro que viu essas imagens estavam todos indignados com essa situação, a gente esperava que justiça fosse feita”, narrou o famoso, ao vivo, enquanto imagens da prisão do DJ estavam sendo exibidas.

Na segunda-feira (12), o jornalista já havia comentado a situação. “Imagens chocantes mostram esse DJ Ivis dando socos e chutes na mulher, na frente do filho. Foi uma coisa, assim… Uma das agressões mais sórdidas e covardes que eu já vi na minha vida”, disparou o comunicador, que já anunciou que é pré-candidato à Presidência pelo PSL.

Datena, então, pediu o endurecimento da pena para violência doméstica: “O Congresso brasileiro deveria dizer o seguinte: nós vamos aumentar a pena, a pena vai para tanto, e não vai ter progressão de pena. Bateu em mulher, matou mulher, não tem progressão de pena. É cadeia. Tomou 30 anos? Fica os 30 anos sem saidinha, sem direito a liberdade”.

“E no final de cumprir a pena, tem que passar por exame criminológico para saber se ele voltou a ser um cara para conviver em sociedade ou se continua covardão, assassino ou batendo em mulher”, completou o contratado da Band. Atualmente, a lei prevê detenção de três meses a três anos para o crime de lesão corporal contra familiares ou membros da convivência doméstica.

“Com as informações do RD1