Aplicativo de mensagens registrou cerca de 25 milhões de usuários nas últimas 72 horas.

A partir de 8 de fevereiro, WhatsApp irá exigir o compartilhamento com o Facebook.

O Telegram registrou cerca de 25 milhões de novos usuários nas últimas 72 horas, disse seu fundador, o russo Pavel Durov, nesta terça-feira (12). A migração para o aplicativo é vista depois de o WhatsApp ter anunciado que irá compartilhar dados com o Facebook, a partir de 8 de fevereiro.

“Durante a primeira semana de janeiro, o Telegram ultrapassou os 500 milhões de usuários ativos mensais. Depois disso, continuou a crescer: 25 milhões de novos usuários chegaram ao Telegram nas últimas 72 horas”, disse Dúrov nas redes sociais.

Durante a sua história, o Telegram já havia tido ondas repentinas de registros, mas Dúrov afirmou que “desta vez é diferente”.

Nesta terça, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi um dos que anunciaram ter aderido a rede social. Ele divulgou o seu novo canal no Telegram em post feito no Twitter. A sua conta no aplicativo de mensagens foi criada em 9 de janeiro.

Ações contra a violência

 

Desde a invasão ao capitólio nos Estados Unidos, contas nas redes sociais têm sido bloqueadas por incitação à violência. O próprio presidente norte-americano, Donald Trump, teve seus perfis banidos de Twitter, Facebook e Instagram.

Em outro movimento semelhante, a rede social Parler foi desativada após a Apple, Amazon e Google suspenderem o aplicativo de suas lojas virtuais e de seus serviços de hospedagem. O app é usado por muitos apoiadores de Trump e recebeu acusações de não tomar medidas contra posts que incentivam a violência.