Foto reprodução

O presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, se mostrou surpreso com as declarações de Gianni Infantino, presidente da Fifa, sobre alterações nos formatos de competição para tentar evitar uma crise financeira. Para Dominguez, o momento é “inoportuno”.

“Fiquei realmente surpreso com os comentários do presidente Infantino. Isso não é um momento para falar sobre planejamento. Agora, temos que priorizar a saúde acima da política”, disse o dirigente paraguaio. “Temos que falar sobre como podemos ajudar os jogadores, os clubes e as federações.”

Eles rebateu os comentários durante uma entrevista para o jornal Gazzetta dello Sport, publicada na última segunda-feira. Com a paralisação do futebol causada pela pandemia, Infantino alertou para a possibilidade de recessão na modalidade, com calendário menor.

“Acho que é inoportuno”, disse Dominguez. “Trata-se de um debate que devemos ter a longo prazo. A prioridade agora é ter solidariedade para passar por essa situação atual”, disse Dominguez, que disse “não ter pressa” para voltar a jogar na América do Sul.

A Conmebol anunciou que oferecerá aos clubes que jogam suas principais competições, a Copa Libertadores e a Copa Sul-Americana, um adiantamento de até 60% do prêmio para ajudar nas despesas financeiras durante a crise.

Os 32 clubes que disputam a fase de grupos da Copa Libertadores podem receber até US$ 1,8 mi cada, cerca de R$ 9 mi, enquanto os 22 que estão na fase da Sul-Americana poderão pedir até US$ 225 mil cada. As finais dos campeonatos estão marcadas para novembro.

Dominguez ainda disse que a Conmebol pediu à Fifa para adicionar uma janela para as Eliminatórias, adiadas por causa da pandemia, para abril do próximo ano. “Nossa proposta é permitir que façamos mudanças e sejamos flexíveis com o calendário da Fifa para que a Conmebol amplie sua eliminatória para outras datas.”

Fonte:Redação Manchete Net/Com Estadão Conteúdo/Jovem pan