Estamos bem quando nos importamos com as carências dos outros, e não apenas com as nossas necessidades.
Vivemos bem quando não nos comparamos com os outros, como se fossem o que não somos, e gostaríamos de ser, e têm o que não temos, e gostaríamos de ter.
Convivemos saudavelmente quando não nos sentimos diminuídos com as críticas pesadas, arrasados com as grosserias gratuitas, magoados com as indiferenças insensíveis, assustados com as maledicências vis, certos de que, amados por Deus, podemos colocar esses eventos nos seus devidos lugares, de modo que não nos adoeçam.
Agimos bem quando adotamos uma determinada ideologia política, mas aceitamos os acertos da outra e percebemos os erros da nossa.
Seguimos bem quando temos projeto para o futuro, que vamos construindo a cada dia, esteja próximo ou distante, como se fosse uma casa ou um edifício em construção e no qual colocamos um tijolo a cada instante.
Prosseguimos bem quando o modo como dizemos ou reagimos, não nos fecha portas.
Vamos bem quando nossas tristezas, comuns a todos nós, não se prolongam, como se fosse definitivas.
Existimos bem quando não ignoramos as frustrações e decepções, mas não permitimos que morem o dia todo dentro dos nossos corações.
Estamos bem quando temos vontade de tornar boas as vidas dos outros.“Procurem aperfeiçoar-se, consolem uns aos outros, tenham o mesmo modo de pensar, vivam em paz. E o Deus de amor e de paz estará com vocês”. (2 Coríntios 13.11b)Com as informações do Pleno News.