Três equipes do corpo de Bombeiros trabalham nas buscas pelo corpo da vítima, que foi encontrado por volta de 7h30 desta sexta-feira(14)

O corpo de Bombeiros conseguiram localizar na manhã desta sexta-feira(14), por volta de 7h30, o corpo da mulher que caiu da Ponte Juscelino Kubitschek no início da noite desta quinta-feira (13). A mulher tinha 33 anos e não teve o nome revelado.

Segundo o subtenente Valter, do Corpo de Bombeiros, as buscas começaram por volta de 5h30 desta sexta. “Fizemos as buscas no local onde ela caiu, mas como lá havia uma certa correnteza e bastante galho e pedra constatamos que o corpo não estava lá. Em um raio de 150 metros ela flutuou, emergiu. Foi feito o resgate e vamos entregar o corpo ao IML”, relatou.

A família da jovem foi ao local e fez a identificação do corpo, mas pediu para resguardar o nome da vítima.

Em entrevista ao gp1, o primo da vítima, que preferiu não se identificar, pediu políticas públicas que possam evitar esse tipo de tragédia, “Eu acho que é que deve existir uma política pública mais abrangente e uma transformação nas bases familiares. Infelizmente hoje as redes sócias são instrumento de instantaneidade e fugacidade da vida porque tudo é muito rápido e as pessoas terminam não se aceitando de forma imediata. Então é todo mundo que se transforma muito rapidamente, se constrói e se destrói e as pessoas tem cada vez mais ansiedade, eu acho isso um ambiente muito vulnerável para o desenvolvimento de depressão, de ampliar a ansiedade”, disse.

Ele disse ainda que todos os casos devem ser estudos de maneira individual, a fim de entender o que se passa na sociedade como um todo. “Na verdade a gente tem que estudar os casos individuais, tem que olhar para a família e desenvolver estratégias no sentido que as famílias aceitem a vida do jeito que é e entendam que isso é bom, a vida é um presente divino e que você tem que aproveitar e que a vida depende de você mesmo, a vida está na cabeça de cada um e cada um tem a sua própria sentença. Eu entendo que ajudar a transformar as pessoas enquanto indivíduo valorizando o que tem, construindo, isso  a parte até do princípio econômico e social também”, completou.

PROCURE AJUDA

Teresina possui organizações que ajudam na prevenção do suicídio. O centro de Valorização da vida( CVV), por exemplo, atua no apoio emocional, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype 24 horas por dia. Para entrar em contato basta ligar 188.

O centro Débora Mesquita(CDM) é outra instituição localizada em Teresina que atua diretamente na prevenção e convenção do suicídio. A ONG atende nos seguintes telefones (86) 99827-3343/ 98894-5742