A lógica que domina os relacionamentos é a da reciprocidade. O que normalmente se ouve é: “Bateu, levou!” ou, “Pau que dá em Chico, dá em Francisco” e ainda: “Quem com o ferro fere, com o ferro será ferido”. E, como esse é o pensamento predominante, aos poucos os relacionamentos vão se tornando um círculo vicioso de “toma lá, dá cá”. A cada agressão sofrida, outra agressão de volta é devolvida. Assim, de dor em dor, de mágoa em mágoa, as pessoas vão se afastando umas das outras e ficando isoladas em si mesmas.

Mas Jesus nos ensina que as coisas não precisam ser assim. O sua orientação é: “Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.” (Mt 5.44) E, como ele nos orientou, ele fez. Diante dos que o crucificaram, ele disse: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.” (Lc 23.34). Temos, portanto, em Cristo e nos evangelhos, uma nova lógica, que deve presidir os relacionamentos: a lógica do perdão, da resposta que não está mais condicionada à reciprocidade, mas sim, ao amor.

Nesta mesma linha, o apóstolo Paulo orientou aos cristãos em Roma: “Abençoai os que vos perseguem, abençoai e não amaldiçoeis.” e “Não torneis a ninguém mal por mal.” e ainda: “Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber.” (Rm 12.14, 17 e 20). Em todas estas instruções, verdadeiros mandamentos, temos o mesmo princípio, a mesma lógica: o nosso paradigma é o do amor, que nos leva a quebrar o ciclo de violência e de agressões em resposta às ofensas que sofremos.

Mas embora esse seja o padrão bíblico, não podemos ignorar que, por não ser o modo natural do ser humano agir, o ensino e a orientação que o Senhor nos dá é muito difícil de ser praticado. É preciso que haja em nós um poder que não é nosso, que vem de Deus e que é dado pela fé em Jesus, que faz com que viva em nós o seu Espírito (Jo 3.1-16).

Com Jesus, você pode viver em paz e sem conflitos. Você pode aprender a fazer o bem, mesmo quando lhe fazem mal.

Oração – Senhor, eu trago em mim as dores das agressões que sofri e as marcas das ofensas, muitas vezes vindas de pessoas queridas. Muitas vezes, eu não soube como agir e ofendi também. Agora eu peço o seu perdão e forças para que eu possa perdoar a todos que me feriram ao longo da minha jornada. Me dê, por seu amor, poder e graça para que eu seja capaz de amar e perdoar a todos, sempre. Por Jesus, amém!

Pr. Gilton Medeiros é diretor executivo do Ministério Vida Radiante, coordenador do Congresso da Terceira Idade – Vida Radiante, editor do Jornal Novas e escritor.

Fonte: Pleno News.