Gasly (centro) celebra a vitória com Carlos Sainz Jr e Lance Stroll, segundo e terceiro colocados na prova, respectivamente

Em uma prova com um resultado incomum, em que o imponderável fez a diferença, o francês Pierre Gasly superou o espanhol Carlos Sainz Jr, venceu o GP da Itália neste domingo, 6, e triunfou pela primeira vez em sua carreira na Fórmula 1.

A corrida foi marcada pelo acidente do monegasco Charles Leclerc, que deixou a prova paralisada por meia hora, e também pela punição a Lewis Hamilton. O britânico terminou em sétimo. O pódio inusitado foi completo pelo canadense Lance Stroll, da Racing Point.

A primeira vitória do piloto da AlphaTauri na categoria foi influenciada por uma série de incidentes. O francês, de 24 anos, que largou em décimo, fez uma boa relargada depois da paralisação de cerca de 30 minutos para o conserto da barreira de pneu após a batida de Leclerc. Ele se beneficiou do fato de já ter feito a parada nos boxes quando houve a entrada do safety car para a remoção do carro de Kevin Magnussen, o que lhe permitiu ganhar posições, se aproveitou da punição ao então líder Hamilton e mostrou talento para se defender das investidas de Sainz. O segundo lugar do espanhol da McLaren foi seu melhor resultado na Fórmula 1.

“Honestamente, é inacreditável. Não tenho certeza da noção do que está acontecendo agora. Foi uma corrida louca. Eu passei por tanta coisa nesse período de 18 meses, meu primeiro pódio ano passado e agora a primeira vitória, em Monza”, celebrou Gasly, ainda incrédulo. Foi o primeiro triunfo de um francês na categoria desde que Olivier Panis ganhou em Mônaco, em 1996, e também a primeira vez que a AlphaTauri colocou um piloto no lugar mais alto do pódio. O outro piloto da McLaren, o jovem britânico Lando Norris, terminou em quarto.

Hamilton, que largara na pole com a volta mais rápida da história da Fórmula 1 no treino em Monza, foi punido com um stop and go (dez segundos) por ter entrado nos boxes quando não era permitido. O hexacampeão mundial chegou a ficar em último, empilhou ultrapassagens e terminou em sétimo, atrás do australiano Daniel Ricciardo, da Renault, e do companheiro de Mercedes, Valtteri Bottas, que cruzou a linha de chegada na quinta colocação.

O francês Esteban Ocon, da Renault, foi o oitavo, à frente do russo Daniil Kvyat, parceiro de Gasly na AlphaTauri, em nono. O mexicano Sergio Pérez, da Racing Point, completou o top 10. A Ferrari teve mais uma corrida desastrosa e nenhum de seus pilotos terminou a prova. Além da batida de Leclerc, Sebastian Vettel abandonou com problema nos freios e reforçou a péssima fase da escuderia italiana, que correrá em casa no próximo fim de semana.

Quem também abandonou a corrida no circuito italiano foi Max Verstappen, que vinha tendo um desempenho discreto. Dessa maneira, o holandês da Red Bull perdeu a vice-liderança do campeonato para Valtteri Bottas. Hamilton continua isolado na liderança do Mundial de Pilotos. A Fórmula 1 retorna no próximo fim de semana para a disputa do GP da Toscana, casa da Ferrari, novamente na Itália, a nona etapa da temporada de 2020.

Confira a classificação do GP da Itália da Fórmula 1:

1°) Pierre Gasly (FRA/AlphaTauri), em 1h47min06s056

2º) Carlos Sainz Jr. (ESP/McLaren), a 0s415

3º) Lance Stroll (CAN/Racing Point), a 3s358

4º) Lando Norris (ING/McLaren), a 6s000

5º) Valtteri Bottas (FIN/Mercedes), a 7s108

6º) Daniel Ricciardo (AUS/Renault), a 8s391

7º) Lewis Hamilton (ING/Mercedes), a 17s245

8º) Esteban Ocon (FRA/Renault), a 18s691

9º) Daniil Kvyat (RUS/AlphaTauri), a 22s208

10º) Sergio Perez (MEX/Racing Point), a 23s224s

11º) Nicholas Latifi (CAN/Williams), a 32s876

12º) Romain Grosjean (FRA/Haas), a 35s164

13º) Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo), a 36s312

14º) George Russel (ING/Williams), a 36s593

15º) Alexander Albon (TAI/Red Bull), a 37s533

16º) Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo), a 55s199

*Com Estadão Conteúdo