A GloboNews foi obrigada a retirar do ar uma reportagem que acusava o ministro da Educação, Abraham Weintraub, de tirar férias sem ter trabalhado os 12 meses necessários para obter o recesso. Após retirar o conteúdo do ar, a emissora pediu desculpas ao ministro.

Na reportagem, a GloboNews questionava as férias de oito dias que Weintraub tirou recentemente. Segundo advogados ouvidos pela emissora, ele não tinha o direito de gozar do benefício.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante apresentação do “Compromisso Nacional pela Educação Básica”.

No entanto, o Ministério da Educação desmentiu a informação e alegou que, apesar de Weintraub estar há quase 4 meses no cargo, ele é matriculado também como professor de uma universidade federal de São Paulo desde 2014.

Tocador de vídeo

De acordo com uma orientação normativa do Ministério do Planejamento, “o servidor integrante das carreiras de magistério, quando afastado para servir a outro órgão, ou outra entidade, em casos previstos em leis específicas que lhe assegurem todos os direitos e vantagens a que faça jus na entidade de origem, permanecerá com direito a 45 dias de férias”.

Desta maneira, mesmo Weintraub tendo assumindo o MEC há menos de 4 meses, ele continua no direito de gozar das férias referentes a seu cargo de professor.

Em seu Twitter, o ministro mostrou-se indignado com a fake news e com o que chamou de “pedido de desculpas com a cara azeda da apresentadora”.

– Onde estão Natuza [Nery], o repórter e os especialistas da Globo/Marinho? Eles foram avisados que era mentira e mesmo assim colocaram no ar esse lixo – escreveu.

Durante a edição das 16h desta quarta-feira (24), a apresentadora Cristiane Pelajo leu uma nota ao vivo em que a emissora pede desculpas ao ministro e aos assinantes do canal. Com as informações do portal pleno.news