Auxílio emergencial reprodução

O governo federal decidiu prorrogar o auxílio emergencial por mais três meses. A informação foi confirmada à coluna pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

O martelo foi batido em reunião realizada na semana passada no Palácio do Planalto por ministros que acompanham o tema, entre eles, Guedes, Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil) e Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral da Presidência).

Os valores devem permanecer os mesmos das atuais parcelas, variando de R$ 150 a R$ 375. A prorrogação deve ser formalizada por meio da edição de uma medida provisória (MP) a ser publicada em breve.

Na semana passada, a coluna havia antecipado que Guedes já admitia, nos bastidores, a prorrogação do benefício por até três meses. Em seguida, o ministro afirmou publicamente que o auxílio deveria ser renovado por mais “dois ou três meses”.

A atual etapa do auxílio emergencial começou a ser paga em abril deste ano e tem quatro parcelas, que se encerrarão em julho. As três novas parcelas, portanto, devem ser pagadas de agosto a outubro.

“Com as informações do Metrópoles