O lançamento da cápsula Crew Dragon, no último sábado (30), foi um sucesso.

veja o VÍDEO 

Doug Hurley e Bob Behnken, os dois astronautas da Nasa, já estão vivendo na Estação Espacial Internacional (ISS). Mas, enquanto eles chegavam em segurança à orbita, outro procedimento complexo precisava acontecer aqui na Terra: a recuperação do primeiro estágio do foguete Falcon 9.

E ela também foi bem sucedida. O foguete pousou no navio autônomo (droneship) “Of Course I Still Love You”, no meio do Oceano Atlântico, também no sábado (30), minutos após a decolagem.

Já o navio retornou com sucesso à base de Cabo Canaveral, na Flórida, com o Falcon 9 a tiracolo, na noite desta terça-feira (2)

Foguetes são caríssimos (o preço do Falcon 9 é estimado em US$ 90 milhões) e, ao mesmo tempo, descartáveis nas viagens espaciais. Chamado de “booster”, o primeiro estágio é a parte que impulsiona o lançamento, queimando uma grande quantidade de combustível (sabe aquelas labaredas no lançamento?).

Minutos após a decolagem, ele é desacoplado da cápsula para reduzir o peso e resistência à gravidade da carga principal, e cai de volta à Terra.

O primeiro estágio é também a parte mais pesada —e cara— do foguete. Recuperá-lo é um grande avanço. O Falcon 9 tem um segundo estágio, que realiza manobras, e depois é desacoplado e vira lixo espacial. Outros foguetes têm até um terceiro estágio.

O processo é bem monitorado: além de cálculos precisos, o pedaço de foguete tem propulsores que ajudam a controlar a trajetória de retorno. Ainda assim, não há precisão total. Por isso, um navio fica a postos na área prevista, como um heliporto flutuante.

A SpaceX tem dois droneships em atividade: “Of Course I Still Love You” (OCISLY) e “Just Read the Instructions” (JRtI). Os nomes engraçadinhos são uma referência nerd ao livro de ficção científica “The Player of Games”, do escocês Iain M. Banks.

Os dois navios operam no Oceano Atlântico, para servir a Cabo Canaveral no projeto Starlink, em experimentos de empresas privadas na ISS e nas missões da Nasa. Até agora, dos 42 vôos do Falcon 9, 33 pousaram com sucesso no porto aquático —um aproveitamento de 78.6%.

O “Just Read the Instructions” já está se posicionando para o lançamento do novo lote de 60 satélites da Starlink, que deve acontecer nesta quarta-feira (3).

Estas balsas robóticas —chamadas de ASDS, sigla em inglês para navio autônomo para porto de naves— são uma das chaves para um programa espacial mais barato. Os foguetes são recuperados rapidamente e sem danos. Se eles simplesmente caíssem na água ou em terra, precisariam de reformas para serem usados novamente.

A missão “Demo-2” tornou a SpaceX, do excêntrico milionário Elon Musk, a primeira empresa privada a enviar pessoas ao espaço, inaugurando uma nova era da exploração espacial, mais barata e eficiente. Antes disso, astronautas ficaram por nove anos sem decolar de solo norte-americano —nesse meio tempo, foram em foguetes russos.

Agora, a SpaceX ainda precisa trazer os dois astronautas em segurança de volta à Terra —o que deve acontecer em agosto. Este é o primeiro passo do Projeto Artemis, coordenado pela Nasa, que quer colocar uma mulher na Lua até 2024. O objetivo final é que humanos pisem pela primeira vez em Marte, um feito previsto para 2030.

Fonte/UOL