Marco Feliciano ganhará dinheiro público após ter feito uma cirurgia caríssima de reconstrução facial

O pastor Marco Feliciano é um dos mais polêmicos religiosos com destaque na mídia, e talvez por causa desse fator (ser um divisor de opiniões) é que tenha conseguido uma vaga na Câmara dos Deputados, e que foi renovada mais uma vez nas eleições de outubro do ano passado.

Mas não são apenas as declarações polêmicas do pastor que repercutem na mídia e nas redes sociais, mas também suas atitudes como parlamentar e cidadão brasileiro. A mais recente delas veio à tona através de uma matéria publicada pelo Estadão, que mostra que Marco Feliciano fez uma cirurgia caríssima com dinheiro público.

Isso porque a Câmara dos Deputados reembolsou Marco Feliciano no valor de R$ 157 mil por causa de um tratamento odontológico que é “direito” dos parlamentares. Ele alegou que precisava corrigir um problema na mandíbula com coroas e implantes na boca.  “Sou político e pregador. Minha boca é minha ferramenta”, disse ele ao jornal.

Na conversa com o jornal, Marco Feliciano ainda foi mais enfático ao defender o reembolso do dinheiro usado por ele na cirurgia. “Este é o meu terceiro mandato e nunca antes precisei da ajuda do Parlamento para poder fazer uma cirurgia. Era jovem ainda quando comecei a trabalhar. Mas envelheci e, com a velhice, vêm as doenças”, disse.

Marco Feliciano reconhece que o tratamento foi bastante caro, mas alegou que o que fez não é nenhum crime e justificou ao alegar que não é algo estético. “É um tratamento caro, mas foi para saúde, e não para estética. Foi para poder trabalhar. Como sou empregado, e onde trabalho há esta alternativa, eu precisava do tratamento”, comentou o pastor.

“Esse é o procedimento mais avançado que a gente poderia gastar em odontologia. A gente quase que troca toda a boca da pessoa, sabe?”, revelou o cirurgião-dentista Max Barbosa, que foi o responsável pelo procedimento e se intitula como “dentist designer” e “mestre em implanttes”.

“Dentro do padrão e do equipamento que a gente usa, com os profissionais que eu tive que trazer e o tempo reduzido para resolver o problema, acho que não (foi caro)”, disse ele sobre o procedimento de Marco Feliciano. “Eu considero bem razoável (o preço), apesar de saber que nem todo brasileiro faria”, completou.