Com a vitória, Hamilton fica a apenas quatro pódios de igualar o recorde a Michael Schumacher

O britânico Lewis Hamilton conquistou, neste domingo, 01, a vitória no GP da Inglaterra, que marca sua terceira vitória na Fórmula 1 em 2020. Hamilton largou na pole position em Silverstone e foi o primeiro colocado de ponta a ponta, mas nem por isso sem sofrimento.

O britânico chegou a ser pressionado em alguns momentos pelo companheiro de equipe, o finlandês Valtteri Bottas. No entanto, mesmo com pneu esquerdo dianteiro furado, o piloto da Mercedes conseguiu terminar a última volta cinco segundo à frente do segundo colocado, Max Verstappen, da RBR, e garantir a vitória. Para completar o pódio, Charles Leclerc, da Ferrari, finalizou o circuito com 18 segundos de diferença do primeiro colocado.

Além de Hamilton, Bottas, que estava em segundo lugar até as três últimas voltas, também teve o pneu furado, o que o deixou em 11º. Os pilotos Carlos Sainz Jr. (McLaren) e Kimi Raikkonen (Alfa Romeo)

também tiveram o pneu dianteiro esquerdo furado. Com a vitória, que marca a 87ª na F1, Hamilton fica a apenas quatro pódios de igualar o recorde a Michael Schumacher. Ele ainda se tornou o piloto com o maior número de triunfos correndo em seu próprio país, superando Alain Prost, que foi o primeiro na França seis vezes.

Leia também:

Vacina contra coronavírus chega no Brasil em dezembro

http://Mico-leão-dourado ganha 1º viaduto vegetado do Brasil, uma ponte para o futuro da espécie

Antes da corrida, os pilotos fizeram uma nova manifestação contra o racismo. Vestidos com uma camisa com as palavras “End Racism”, que traduzido seria “acabe com o racismo”, os pilotos acompanharam Lewis Hamilton, único piloto negro da Fórmula 1, que vestia uma roupa com o slogan “Black Lives Matter”, “Vidas Negras Importam”. Hamilton, assim como pilotos, se ajoelhou durante o ato, gesto que vem repetindo desde a morte de George Floyd, americano negro morto asfixiado por um policial branco nos Estados Unidos. Em ocasiões anteriores, o hexacampeão mundial criticou a falta de posicionamento da Fórmula 1 e de alguns companheiros contra o racismo.

*Com EFE/Jovem Pan