Moradores denunciam prefeitura por descarte impróprio de lixo hospitalar no Piauí

O Ministério Público informou ao G1 nesta quinta-feira (10) que, depois de analisar imagens feitas pelos moradores, vai acionar a Justiça para que a prefeitura tome as medidas cabíveis.

Moradores da cidade de Cristino Castro, no Sul do Piauí, denunciaram a prefeitura por descarte impróprio de lixo hospitalar. De acordo com a denúncia, que foi feita por meio de vídeo e fotos do lixão do município, estão sendo despejados resíduos hospitalares de forma indevida no local.

Procurado, o prefeito Manoel Júnior informou que a prefeitura realiza a disposição final do lixo hospitalar conforme o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Piauí (MP-PI) e nega que o descarte seja feito de forma imprópria.

O promotor Roberto Monteiro informou ao G1 nesta quinta-feira (10) que, após analise das imagens e da filmagem que contém a denúncia, decidiu requisitar na Justiça o cumprimento do TAC que regulamenta a forma como a prefeitura deve realizar a disposição final dos resíduos sólidos do município.

“Estou com o processo e o material utilizado para a denúncia, que são suficientes para peticionar nos autos o cumprimento do TAC. Logo farei o pedido ao juiz. Nesse TAC existem especificações específicas para o descarte desse lixo que não estão sendo cumpridas pela prefeitura”, informou o promotor Roberto Monteiro.

Moradores denunciam prefeitura por descarte impróprio de lixo hospitalar no Piauí — Foto: Reprodução/Whatsapp

Moradores denunciam prefeitura por descarte impróprio de lixo hospitalar no Piauí — Foto: Reprodução/Whatsapp

No vídeo e nas fotos é possível ver o lixo hospitalar amontoado em um terreno. No meio dos resíduos é possível ver luvas e equipos de infusão endovenosa, utilizado para procedimentos de infusões endovenosas em hospitais. O material é visto dentro de sacos plásticos e no local existe apenas um aviso informando o risco de infecção.

Segundo o TAC, a prefeitura deveria abrir e acondicionar os resíduos hospitalares em vala específica de um metro de largura por 1 metro de profundidade, e providenciar manualmente a cobertura de uma camada de argila ou material similar três vezes por semana.

Fonte:g1