Morre o jornalista Ricardo Boechat em queda de helicóptero em São Paulo

Âncora da Band estava em aeronave que caiu no início da tarde desta segunda-feira

O jornalista Ricardo Boechat morreu aos 66 anos nesta segunda-feira. Ele estava dentro do helicóptero que caiu no acesso à Rodovia Anhanguera, em São Paulo. O âncora da TV Band e da rádio BandNews FM estava a caminho de um evento de um laboratório farmacêutico, onde faria uma palestra, em Campinas, segundo colegas do jornalista.

Na queda, a aeronave bateu na dianteira de um caminhão que transitava pela via.

Inicialmente, os bombeiros disseram que as vítimas fatais eram o piloto e o copiloto, que morreram carbonizados. Em seguida, foi confirmado que Boechat estava na aeronave. O apresentador e o piloto faleceram.

O motorista do caminhão atingido também ficou ferido e foi socorrido pela concessionária CCR Rodoanel Oeste. Pelo menos 11 viaturas foram enviadas ao local. Segundo o Corpo de Bombeiros, a aeronave caiu no quilômetro 7 da Rodovia Anhanguera, sentido Castelo Branco, próximo ao pedágio Jabaquara. 

Vídeo incorporado

Os bombeiros informaram que o fogo foi extinto por volta das 13h.

Em luto, Band sai do ar

A Rádio BandNews divulgou uma nota no Twitter lamentando a morte do âncora. A emissora trocou seu avatar nas redes sociais para uma imagem preta, simbolizando o luto. Em seguida, a imagem foi substituída por uma imagem de Boechat. Após a confirmação emocionada da morte do jornalista, a emissora anunciou que ficaria um período fora do ar. Na frequência 90,3 FM do dial carioca, a rádio emitiu apenas sua vinheta por cerca de cinco minutos e agora, reproduz a cobertura.Ver imagem no Twitter

Ver imagem no Twitter

O presidente Jair Bolsonaro lamentou por meio de sua conta no Twitter a morte do jornalista. “É com pesar que recebo a triste notícia do falecimento do jornalista Ricardo Boechat, que estava no helicóptero que caiu hoje em SP. Minha solidariedade à família do profissional e colega que sempre tive muito respeito, bem como do piloto. Que Deus console a todos!”, escreveu.

O jornalista Ricardo Eugênio Boechat nasceu na cidade de Buenos Aires, na Argentina, em 13 de julho de 1952. Ele iniciou sua carreira por volta dos 20 anos, na década de 70, como repórter do jornal Diário de Notícias, no Rio de Janeiro, e começou a trabalhar na coluna de Ibrahim Sued.

Em seguida, foi para o jornal O Globo, em 1983. Boechat chegou a ocupar, por seis meses, a secretaria de Comunicação Social no governo Moreira Franco, em 1987. O apresentador teve uma breve passagem pelo Jornal do Brasil e, depois, na sucursal carioca de O Estado de S.Paulo. Pela Agência Estado, ganhou o Prêmio Esso de Reportagem 1989.

O filho de um diplomata brasileiro teve participações como colunista no SBT, em notas gravadas na própria redação do Jornal do Brasil para o telejornal apresentado por Hermano Henning. Ele ainda chegou a ser colunista no Jornal O DIA, além de ter sido professor da Faculdade da Cidade.

Entrou para o grupo Bandeirantes como diretor de Jornalismo no Rio de Janeiro. Em fevereiro de 2006, mudou-se para São Paulo para ancorar o Jornal da Band, principal noticiário da emissora. Na sua carreira enquanto radialista, passou a apresentar, também, o programa diário Jornal do Rio, na rádio BandNews FM. Ele é transmitido, simultaneamente, para o Rio de Janeiro e São Paulo e é realizado todas as manhãs, entre 9h e 11h. Ele dividia o espaço com Rodolfo Schneider, atual diretor de Jornalismo do Grupo Bandeirantes no Rio de Janeiro.

O jornalista recebeu três Prêmios Esso: em 1989, em 1992 e em 2001; um White Martins de Imprensa, além de nove Comunique-se: 2007, 2010 e 2012 na categoria âncora de TV, 2006, 2008 e 2010 como Apresentador/Âncora de Rádio e 2008, 2010 e 2012 como Colunista de Notícia. Devido ao grande número de prêmios Comunique-se, ele entrou para a Galeria de Mestres do Jornalismo da competição, além de passar a ser considerado hors-concours em duas categorias: Apresentador/Âncora de Rádio e Colunista de Notícia.

Boechat nasceu em Buenos Aires quando o pai, diplomata brasileiro, servia ao Ministério das Relações Exteriores.

Fonte: O dia rio.