Foto: Carolina Antunes/Presidência da República

A advogada Rosângela Moro, mulher do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, foi dispensada do posto de representante da sociedade civil no programa Pátria Voluntária.

A decisão foi assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, e a portaria foi publicada na edição desta quarta, dia 13, do Diário Oficial da União.

Lançado em julho do ano passado, o programa incentiva a participação de cidadãos na promoção de práticas sustentáveis, culturais e educacionais voltadas à população mais vulnerável.

Dessa forma, o projeto é conduzido por um conselho presidido pela primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Conforme o programa, Rosângela Moro ocupava uma das 12 vagas reservadas a representantes da sociedade civil.

No entanto, em meio aos embates entre o presidente Jair Bolsonaro e o então ministro da Saúde, Luiz Mandetta, Rosângela saiu em defesa do médico, dizendo que ele era o médico “de todos nós”.

A advogada Rosângela Wolff Moro, mulher do ministro Sérgio Moro
Foto: Vanessa Carvalho/ / Estadão Conteúdo

Igualmente, ao comentar a saída do marido do governo, a advogada voltou a ressaltar o isolamento social e defendeu a atitude de Moro.

“Eu não poderia esperar outra atitude do meu marido; deixar o governo era a única eticamente aceitável”, escreveu à época.

 

Fonte/bncamazonas