Em entrevista à rede de TV América, da Argentina, o ator Carlos Villagrán, o eterno Quico, do seriado “Chaves”

contou um episódio curioso, durante uma passagem por Bogotá, na Colômbia. Certo dia, ele estava no Hotel Tequendama, na capital, quando recebeu um chamado da recepção:

-Há três pessoas que querem falar com você.

Villagrán disse ter pensado que se tratavam de jornalistas.

– Passem – autorizou.

Três homens chegaram a seu quarto, oferecendo dinheiro.

– Amanhã, é aniversário da filha de meu patrão. Ponha você o preço que quiser, até US$ 1 milhão – afirmou um deles.

Veja Mais: CARLOS VILLAGRÁN Quico do Chaves causa polêmica ao falar sobre coronavírus

Veja Mais: : 5 práticas comuns em Chaves que hoje seriam crimes previstos pela Lei

Villagrán conta:

– Meu corpo gelou, não esperava uma coisa assim.

O ator lembra que decidiu explicar que havia uma cláusula em seu contrato segundo a qual não poderia fazer outro trabalho, a não ser a apresentação durante a passagem do circo pela cidade.

– Me respeitaram, fecharam a carteira, despediram-se muito bem de mim e foram embora. Suponho que se tratava de gente de Pablo Escobar – afirmou.

Villagrán disse que, depois desse dia, teve muito medo e, a partir dali, tomava diferentes caminhos para ir ao local da apresentação de seu circo e regressar ao hotel. No terceiro dia, cancelou a temporada.

– Já vou embora, porque tenho medo tremendo. Vão me pegar por ter negado e prefiro retornar em outra oportunidade – recordou.

No entanto, segundo o artista, em outros momentos, quando todo o grupo que interpretava os personagens de Chaves, costumava ir à Colômbia, os atores teriam trabalhado para Escobar. Menos ele, garante.

– Não sei quanto ofereceram a Roberto (Roberto Bolaños, que interpretava Chaves, com o qual tinha uma rivalidade), fiquei sabendo, como vocês, pelos jornais – afirmou.

Abaixo, a íntegra da entrevista à TV América.

Com informações do Gauchazh