A Bíblia, sempre atual, é um livro para lermos. Devemos ter todos os livros que pudermos e quando pudermos. Devemos eleger a Bíblia para percorrer a cada dia pelo menos um dos seus capítulos.

A Bíblia, sempre profunda, é um livro para compreendermos. Nela há coisas fáceis, sobretudo as essenciais. Cabem rápido no coração. As difíceis vamos desvendando à medida que as vamos estudando, descobrindo e entendendo. Desafiam nossa razão.

A Bíblia, sempre afetuosa, é um livro para amarmos. Como não guardaremos junto ao peito um presente que Deus nos deu? Como não celebraremos os autores, alguns cujos nomes não conhecemos, e os tradutores, alguns cujas identidades nunca saberemos, que serviram de emissários para que o dom nos chegasse às mãos?

A Biblia, sempre verdadeira, é um livro para nos comprometermos. Em suas páginas crescem gigantes, como nós, quando fiéis. Em suas histórias, surgem sombras como as nossas, quando pecamos. Diante destes retratos, nós nos compreendemos, para que nos comprometamos a ser o que podemos nos tornar.

A Bíblia, sempre perfumada, é um livro para praticarmos. Suas verdades não são para emoldurar paredes, mas para tatuar nossas almas porque geram liberdade. O conforto que sua promessas nos trazem enxuga nossas lágrimas. O desafio que suas páginas nos fazem ilumina nossas mentes. Praticada, ela ensinará por meio de nossas vidas e de nossas palavras.

A Bíblia, sempre necessária, é um livro para distribuirmos. Perto ou longe, sem ainda tê-la, há quem precise lê-la e espera que a levemos.

_“Senhor, terei prazer nos teus mandamentos, os quais eu amo”. _(Salmos 119.47)

Israel Belo é pastor da Igreja Batista Itacuruçá.

Fonte:Pleno News