Durante a oitiva, o presidente da comissão Omar Aziz, acusou membros das Forças Armadas de corrupção.

A Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) da Covid ouve, nesta quarta-feira (7), Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do departamento de logística do Ministério da Saúde acusado de ter pedido propina de US$ 1,00 por dose de vacina de um lote de 400 milhões de unidades do imunizante AstraZeneca.

Durante a oitiva, o presidente da comissão Omar Aziz, acusou membros das Forças Armadas de corrupção.

“É coronel, cabo, general… Os bons das Forças Armadas devem estar envergonhados com os envolvidos do lado podre das Forças em falcatruas do governo”, disse o presidente da CPI.

Omar Aziz é investigado por desvios de recursos para a área da saúde quando ele foi governador do Amazonas. Ele foi alvo de uma operação do Ministério Público Federal chamada “Maus Caminhos”. Ela  foi deflagrada em 2016 e houve uma série de desdobramentos. O objeto principal da investigação é o desvio de cerca de R$ 260 milhões de verbas públicas da saúde por meio de contratos milionários firmado com o governo do estado do Amazonas.

“Com as informações do Terra Noticia Brasil