Uma operação coordenada pelo setor de aviação agrícola da Argentina contra a nuvem de gafanhotos resultou na eliminação de somente 15% dos insetos, conforme informações do Sindag, entidade que reúne as empresas brasileiras de avião agrícola.

Nuvem de gafanhotos encontrada em propriedade rural na Argentina

vídeo

Imagem com Link

Ainda de acordo com o Sindicato, a operação teria ocorrido na região de Curuzu Cuatia, província de Corrientes, antes do anoitecer de sexta-feira, quando os insetos foram encontrados após pousar em uma área de campo para se alimentar e passar a noite.

Os técnicos têm aproveitado esses momentos para fazer as operações de combate. Quando pousam e se agrupam, os gafanhotos ocupam uma área de 10 hectares. Quando levantam voo e formam a nuvem, os gafanhotos abrangem área equivalente a 3 mil hectares, com 10 quilômetros de comprimento e 3 quilômetros de largura, o que dificulta a ação dos aviões.

O Brasil formou um grupo de monitoramento da situação e aviões agrícola estão de prontidão no extremo sul do país preparados para um ataque contra os gafanhotos. “Só em Uruguaiana, dez aviões estão prontos para operação imediata, o que é considerado mais do que suficiente”, diz o Sindag.

O sindicato fez uma reunião na manhã deste sábado com empresas de avião do Rio Grande do Sul para levantar a quantidade de aeronaves disponíveis para uma eventual ação. “Queríamos ter um inventário das aeronaves à disposição na área de fronteira, já que a região está no período de entressafra de parte das lavouras, embora esteja operando bastante em semeadura e adubação de pastagens. Período em que os empresários aproveitam para fazer a manutenção obrigatória anual dos aviões”, diz Thiago Magalhães, presidente da entidade.

Imagem com Link

De acordo com ele, as autoridades argentinas tiveram dificuldade para localizar os insetos na sexta-feira. “O essencial nesse caso, é um monitoramento eficiente. Ou seja, localizar o ponto de pouso dos insetos a tempo de preparar uma opção efetiva – com o avião chegando à tarde a tempo de terminar a operação antes de escurecer ou decolar na primeira luz do dia para estar sobre os insetos ainda no início da manhã, entes deles levantarem voo”, afirma.

 

 

 

 

Fonte/Globorural