O padre foi afastado da Igreja após postar foto seminu em hotel

“As pessoas querem saber quem tirou a fotografia, pois bem, eu vou dizer: foi uma loirinha com quem dei uma rapidinha”. Foi assim como o português Júlio Santos, que até pouco tempo era padre da Diocese de Coimbra, contou detalhes de uma polêmica em que ele se viu envolvido nos últimos dias.

Júlio, de 58 anos, disse ter postado nas redes sociais, por engano, uma foto sua deitado numa cama de casal usando apenas cueca e meias. A imagem ficou no ar no perfil dele no Facebook por pouco tempo, mas foi o suficiente para se alastrar pela internet e gerar um debate entre internautas sobre a questão do celibato exigida aos sacerdotes.

Ele explicou ao jornal português “Correio da Manhã” seu afastamento da Igreja Católica:

“Sou maroto, sou danado para a brincadeira e mesmo que tente mudar isso, não consigo. Eu nunca me apresentei às pessoas como santo”, afirmou, chamando a “menina muito jeitosa” com quem manteve relações sexuais num encontro casual de “sepente tentadora”.

“A nossa parte afetiva é fundamental, negar isso era matar-me a mim mesmo”, acrescentou, ressaltando ter “uma mente aberta”.

Embora Júlio exercesse seu serviço sacerdotal na cidade de Pedrógão Grande, na província da Beira Litoral, ele contou que a foto foi tirada há cerca de um mês num quarto de hotel no Porto, a 171 quilômetros de distância.

Após 30 anos atuando como padre, Júlio foi afastado de suas funções e frisou que não pretende voltar.

“Para sossegar o Sr. bispo e o seu vigário-geral e não escandalizar mais os fiéis, afasto-me do meu ministério sacerdotal na Igreja. Não voltarei a servir a Igreja na Diocese de Coimbra como pároco”, disse.