Estudo associa gene da demência a risco de desenvolver quadro grave de Covid-19

Pessoas que apresentam duas cópias defeituosas do gene apoE e4e4, codição genética associada ao desenvolvimento de demências como Alzheimer, têm um risco duas vezes maior de desenvolver quadro grave de Covid-19. A descoberta foi feita por especialistas da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores chegaram à conclusão após analisarem as informações de centenas de pessoas presentes no UK Biobank, um banco de dados do Reino Unido. O estudo foi publicado pela equipe nesta terça-feira (26) no Journal of Gerontology: Medical Sciences.

Segundo os cientistas, eles já haviam observado que pessoas com demência são mais propensas a desenvolver quadros graves da doença causada pelo novo coronavírus, mas não sabiam o porquê disso. Agora, graças à nova análise, eles conseguiram associar as infecções severas pelo Sars-CoV-2 com o gene apoE e4e4. De acordo com a pesquisa, uma em cada 36 pessoas com ancestralidade europeia tem duas cópias defeituosas desse gene.

“Esse é um resultado emocionante, porque agora podemos identificar como esse gene defeituoso causa vulnerabilidade à Covid-19”, disse Chia-Ling Kuo, coautora do estudo, em comunicado. Ela acredita que a descoberta pode ajudar na investigação de possíveis tratamentos para a doença. “Também é importante porque mostra novamente que o aumento dos riscos de doenças que parecem inevitáveis ​​com o envelhecimento pode realmente ser devido a diferenças biológicas específicas, o que nos ajuda a entender por que algumas pessoas permanecem ativas até os 100 anos de idade ou mais, enquanto outras ficam incapacitadas e morrem aos 60”, analisa a pesquisadora.

Fonte:Revista Galileu