O prefeito Firmino Filho (PSDB) divulgou os dados da 4ª etapa da Pesquisa de Investigação Sorológica para Covid-19 feita em Teresina entre os dias 8 a 10 de maio.

Nesta etapa a pesquisa estimou que há 17.297 casos confirmados de coronavírus em Teresina. O número é 36 vezes maior que os dados confirmados oficiais, que é de 435. Uma média de 300 testes foram realizados por dia.

A pesquisa mostrou, ainda, que houve uma redução no crescimento do número de casos estimados da Covid-19 na capital. Até a etapa 3 o percentual de variou entre 59% a  60%. Agora, o aumento foi de 38%.

O prefeito Firmino Filho diz que ainda não é possível identificar o que teria causado a redução do crescimento, mas acredita que feriados e o uso de máscaras pela população, podem ter refletido na melhor do cenário.

No entanto, o prefeito alerta que os casos de coronavírus continuam se disseminando na cidade e que as medidas de isolamento devem continuar a serem cumpridas com rigor.

“Está existindo um crescimento. O crescimento continua acontecendo. O crescimento que nas duas primeiras semanas  foi de 62% agora foi para 38%. Cresceu menos, mas continua a crescer. O quadro ainda não está de estagnação. É necessário que a gente possa continuar tomando as precauções e medidas de isolamento”, disse o prefeito.

O prefeito também ressaltou que as testagens por amostragem são importantes para fazer um panorama mais seguro dos casos reais de coronavírus em Teresina, diminuindo os índices de subnotificação.

“A testagem permitiu que pudéssemos ficar mais próximos dos números da realidade. A testagem é fundamental porque hoje estamos em quarentena porque não sabemos exatamente e quem são e onde estão esse positivados”, disse o prefeito.

Firmino avisou que na próxima quinta-feira (14) irá apresentar dados sobre a situação dos leitos de UTI em Teresina e a capacidade de atendimento hospitalar.

Índice de transmissão continua alto

Na videoconferência o prefeito descartou a possiblidade de afrouxar as medidas de isolamento social e de fazer reabertura econômica. Isso porque o R.0- número médio de contágios causados por cada pessoa infectada- continua alto.

Na etapa 3 o R0 (índice que me de a capacidade de um infectado contaminar outra pessoa) era 1,60. Na 4ª etapa ficou em 1,25.  “Não existe possibilidade de reabertura econômica com R.0 maior que 1. Nossa meta é fazer com que esse R.0 seja  o menor possível. O patamar de 1 é o grande desejo”, explicou Firmino Filho.

Testagem 

Firmino Filho também falou da necessidade de ampliar o número de testagem para o isolamento (quarentena) direcionado para a população que realmente se manteve em contato com o vírus.

“Não sabemos quem está infectado. Se todos os infectados ficassem em casa por 14 dias, a doença desapareceria”, disse.

O prefeito criticou a política brasileira de testagem e o projeto da União de fornecimento de testes rápidos. Segundo Firmino, a União prometeu 46 milhões de testes, ainda sem repasses.

A prefeitura de Teresina já fez 20 mil testes. Após a testagem em todos os servidores municipais na ativa o município pretende seguir com os trabalhadores informais, como mototaxistas, bombeiros de postos e feirantes em mercados.

A pesquisa amostral vai continuar à nível de Teresina e deve ser sofisticada pela prefeitura. Atualmente o teste mede a presença do anticorpo no organismo do morador, fator que só surge a partir do 7° dia posterior ao contato com o vírus. A prefeitura quer utilizar uma outra modalidade de teste que consegue identificar o contato com o vírus em um período mais curto.

Academias

Sobre o decreto do governo federal que autoriza a abertura de outros serviços como academias, Firmino citou o entendimento do Supremo Tribunal Federal de que cabe aos governos estaduais e às prefeituras a definição dos serviços autorizados.

“No caso aqui em Teresina acabamos de mostrar que aqui em Teresina os casos crescem 38% por semana. Qualquer tipo de abrandamento do isolamento social seria irresponsabilidade.

Lockdown em Teresina

Firmino falou ainda que a prefeitura não descarta a possibilidade de lockdown na capital.

“Se continuar a acontecer (aumento dos casos de infecção), a gente vai ter que tomar medidas mais drásticas, é aí que o lockdown aparece”, alertou. O prefeito disse que o município estuda medida feita em outros países, como a Turquia, que decretou lockdown durante alguns dias da semana.

A possibilidade é do isolamento durante a semana e lockdown nos finais de semana. “Um ou dois dias de lockdown. Para que a gente possa ter um melhor desempenho (no isolamento social)”, disse. “Se essa taxa continuar se espalhando, daqui a duas semanas não vamos mais ter leitos de UTI”, afirmou

Fonte/cidadeverde