Alguns têm preconceito não só contra pessoas de outros países, raças, tribos e línguas, mas também contra pessoas de outra religião, gênero ou classe social.

Outros julgam as pessoas por causa da idade, educação, aparência ou alguma deficiência. Mas eles talvez não se considerem preconceituosos.

Será que você foi contaminado pelo “vírus” do preconceito? É muito fácil reconhecer quando os outros são preconceituosos.Mas pode ser difícil reconhecer isso em nós mesmos. Na verdade, de uma maneira ou de outra, todos nós somos um pouco preconceituosos. David Williams, professor universitário de sociologia, explica que, quando alguém tem um ponto de vista negativo sobre certo grupo, vai tratar as pessoas daquele grupo de maneira diferente sem nem perceber isso.

Veja o exemplo de Ivan, * na Europa, que tinha preconceito contra certo grupo minoritário. Ele conta: “Eu pensava que ninguém daquele grupo poderia ser uma boa pessoa. Mas eu não achava que eu estava sendo preconceituoso porque, para mim, aquilo era a mais pura verdade.”

Muitos governos têm leis para combater o racismo e outras formas de preconceito. Mas por que o preconceito continua existindo? Isso acontece porque essas leis só limitam as ações das pessoas, e não os pensamentos e sentimentos delas. E o preconceito começa na mente e no coração de cada um. Então, será que a luta contra o preconceito é uma batalha perdida? Existe mesmo uma cura para o preconceito?

*Com as informações  do JW.ORG