A espera acabou! O maior campeonato do mundo está de volta.

A Premier League 2019-20 começa nesta sexta-feira, com o Liverpool, atual campeão europeu, recebendo o Norwich, que acaba de voltar à elite após ter conquistado o título da segunda divisão. A bola rola em Anfield às 16h (de Brasília), com transmissão da ESPN Brasil e WatchESPN

Mauro Cezar apresenta destaques da primeira rodada

Arsenal

 Craque: Pierre-Emerick Aubameyang

Desde que chegou ao Arsenal há um ano e meio, o atacante de 30 anos faz o que fazia no Borussia Dortmund: gols. São 41 em 65 partidas, além de 11 assistências. Em sua primeira Premier League completa, balançou as redes 22 vezes e dividiu a artilharia com Mohamed Salah e Sadio Mané.

 Fique de olho: Nicolas Pépé

Um dos jogadores mais cobiçados da última janela escolheu o Arsenal, que teve de fazer sua contratação mais cara da história. O meia-atacante de 24 anos foi um dos principais nomes do último Campeonato Francês, sendo vice-artilheiro (22 gols), segundo principal garçom (11 assistências), terceiro maior driblador (101 acertos) e sétimo em chances criadas (70). Na temporada anterior, a primeira dele pelo Lille, que havia desembolsado 10 milhões de euros para tirá-lo do Angers, o marfinense somou 13 gols e quatro assistências na Ligue 1.


Aston Villa

Depois de três temporadas na segunda divisão, o tradicional Aston Villa voltou para ficar. O clichê se faz necessário aqui, já que não há melhor expressão para um time que acaba de subir e ter um débito no mercado de transferências de nada menos do que 148,6 milhões de euros, sendo o principal ‘gastão’ deste mercado na Premier League. Não bastasse a tradição de um clube campeão europeu e o alto investimento, o ótimo desempenho no primeiro semestre – venceu 12 dos seus últimos 15 jogos na segunda divisão – faz com que a equipe de Birmingham esteja fortemente cotado para disputar a Premier League também em 2020-21.

 Craque: Jack Grealish

Uma fratura fez Jack Grealish, o jogador mais caçado da última Championship, perder quase um terço da competição. Mesmo assim, o meia de 23 anos deu sete assistências, fez seis gols, foi o 11º com mais dribles certos e terminou como o 11º em mais chances criadas, sendo peça fundamental para o acesso do Aston Villa. Não à toa, foi incluído para a seleção do campeonato.

 Fique de olho: Wesley Moraes

O melhor jogador jovem do Campeonato Belga em 2017-18 chegou ao Aston Villa por 25 milhões de euros assumindo a condição de contratação mais cara da história do clube. O atacante de 22 anos marcou 13 gols em 38 partidas na última edição da liga nacional.


Bournemouth

Desde que alcançou a elite pela primeira vez na história em 2015, o Bournemouth foi sempre muito sólido. Suas quatro campanhas na Premier League acabaram sempre entre os 42 e 46 pontos. A melhor posição foi a nona e a pior, a 16ª. Para manter a estabilidade e seguir frequentando o topo do futebol inglês, o clube manteve seu elenco e ainda faturou 34,51 milhões de euros com jogadores que não eram muito aproveitados. Por outro lado, gastou 56,45 milhões de euros em jovens de até 23 anos para todos os setores: o lateral-direito Jack Stacey (Luton Town), o lateral-esquerdo Lloyd Kelly (Bristol City), o meio-campista Philip Billing (Huddersfield Town) e os atacantes Arnaut Danjuma (Club Brugge) e Harry Wilson (Liverpool – empréstimo).

 Craque: Ryan Fraser

Somente Eden Hazard deu mais assistências que Ryan Fraser na última Premier League – 15 contra 14. Além disso, o meia escocês de 25 anos foi o terceiro que mais chances criou na última edição (93), além de ter marcado sete gols. Boa parte do poder criativo do Bournemouth depende de seu camisa 24.

 Fique de olho: David Brooks

Contratado junto ao Sheffield United por 11,3 milhões de euros no meio de 2018, o meia de 22 anos foi uma das gratas surpresas do Inglês em 2018-19, tendo terminado a competição com 29 partidas como titular, sete gols e cinco assistências. O ponto negativo é que ele começa a nova campanha machucado.

.


Brighton & Hove Albion

Até a 25ª rodada, o Brighton esteve abaixo do 13º lugar em apenas duas oportunidades, sendo uma delas logo na abertura do campeonato. Além disso, a equipe não frequentou a zona de rebaixamento uma vez sequer em 2018-19. De qualquer forma, há motivos para se preocupar, uma vez que fechou a temporada sem vencer em seus últimos 11 compromissos oficiais (sete derrotas e quatro empates). Para 2019-20, o clube investiu 65,75 milhões de euros em nomes da segunda e terceira divisões e do Campeonato Belga: os zagueiros Adam Webster (Bristol City) e Matt Clarke (Portsmouth) e os atacante Neal Maupay (Brentford) e Leandro Trossard (Genk) – Clarke foi emprestado ao Derby County.

 Craque: Pascal Groß

Contratado em 2017, o meio-campista de 27 anos está longe de ser um dos principais nomes da Premier League, mas é fundamental no setor ofensivo de um dos ataques mais discretos da competição. Nas duas últimas campanhas, o Brighton foi o quarto time que menos fez gols. Isso seria pior não fosse o alemão, que foi o sexto que mais chances criou na competição em 2017-18 e ainda marcou oito gols e deu sete assistências. Em 2018-19, perdeu 13 rodadas por lesão, mas quando esteve em campo, foi o sétimo que mais chances em média por 90 minutos, levando em conta apenas os atletas que disputaram ao menos dez jogos.

 Fique de olho: Adam Webster

O zagueiro chega na condição de atleta mais caro da história do Brighton, que desembolsou 21,85 milhões de euros para tirá-lo do Bristol City, clube que pagou 4 milhões de euros ao Ipswich em sua contratação um ano antes. Na última edição da segunda divisão inglesa, o defensor de 24 anos encerrou como o terceiro jogador com mais interceptações de passe (91) e foi o zagueiro com maior número de bolas recuperadas (274) e o segundo com maior número de disputas aéreas, com um aproveitamento de 71,4%.


Burnley

 Craque: James Tarkowski

A situação defensiva da equipe poderia ser pior não fosse a presença do zagueiro de 26 anos. Nome lembrado na penúltima convocação da seleção inglesa, Tarkowski foi o líder em chutes bloqueados (56) e o segundo em rebatidas (236) na última Premier League, além de ter terminado como o quinto zagueiro com mais disputas aéreas (247), ganhando 65,5% delas.

 Fique de olho: Dwight McNeil

O atacante de 19 anos chegou ainda adolescente na base, vindo do Manchester United e estreou pelo profissional em 2017-18, entrando nos minutos finais da última rodada contra o Bournemouth. Na campanha passada, ganhou mais espaço e virou titular absoluto na segunda metade da Premier League, tendo somado três gols e cinco assistências em 21 partidas. Em 2019, estreou e esteve em campo nas últimas seis partidas da Inglaterra sub-20, tendo anotado um gol.


Chelsea

Um ídolo no banco e poucos reforços em campo. Frank Lampard e Chelsea terão um desafio ainda maior que os outros grandes da Premier League. Ainda que venha de um grande trabalho com o Derby County e seja um ídolo dos Blues, o ex-meio-campista ainda é inexperiente na função e não contou com contratações para esta temporada, devido a uma punição da Fifa. De qualquer forma, o clube conta com retornos de atletas emprestados, como Tammy Abraham, Kurt Zouma e Christian Pulisic – que chega agora de fato, após ter sido vendido pelo Borussia Dortmund em janeiro e ter permanecido por empréstimo até o fim da última campanha. Uma classificação à próxima Champions League já seria um grande feito para a equipe.

 Craque: N’Golo Kanté

A saída de Eden Hazard deixou vago o posto de craque do Chelsea. Mais do que em qualquer ano, o coletivo será a principal arma do time de Frank Lampard. Mas já que temos que apontar um nome, ninguém melhor do que o volante que será o responsável pela estabilidade do time. Além da sua inquestionável e quase inigualável capacidade defensiva, o francês passou a ser mais importante no aspecto ofensivo, uma vez que fez quatro gols, deu quatro assistências e criou 46 chances no Inglês em 2018-19, o seu melhor desempenho nos três quesitos em qualquer uma das edições que já disputou da liga.

 Fique de olho: Tammy Abraham

Revelado pelo Chelsea, o atacante só teve até hoje a chance de disputar três jogos oficiais pelos Blues. Agora, após uma série de empréstimos e com o clube sem estar apto a realizar contratações, o jogador de 21 anos pode ter sua grande oportunidade no clube, ainda mais depois da temporada que fez no Aston Villa. Com 25 gols, ele foi o vice-artilheiro da segunda divisão inglesa em 2018-19, acabou eleito para o time ideal da competição e teve participação decisiva para a promoção da equipe. Vale menção também ao promissor Callum Hudson-Odoi, um dos principais jovens talentos da Europa, que perderá os primeiros meses da temporada por lesão.


Crystal Palace

Sempre entre o 10º e o 15º lugar e entre 41 e 49 pontos. Foi essa a realidade do clube londrino e seis anos seguidos na elite. Para este, ainda que tenha mantido – a princípio – sua principal estrela, Wilfried Zaha, a tarefa parece ser mais complicada depois da saída de Aaron Wan-Bissaka, que foi vendido ao Manchester United, e Michy Batshuayi, que retornou de empréstimo ao Chelsea. Aliás, dos Blues, é de onde vem o reforço mais famoso do Palace: o veterano zagueiro Gary Cahill.

 Craque: Wilfried Zaha

Já não é de hoje que Wilfried Zaha é o grande nome do Crystal Palace. Autor de dez gols e cinco assistências na última edição da Premier League, o atacante de 26 anos repetiu o roteiro. Depois da última temporada, pediu para ser negociado, mas, para sorte do torcedor, ele seguiu no elenco até o fechamento da janela na Inglaterra. Porém, uma saída para outra grande liga europeia é possível até o começo de setembro.

 Fique de olho: Max Meyer

Após ter surgido com um grande potencial no Schalke 04, chegando inclusive a ser convocado pela seleção alemã em diferentes oportunidades, o meia de 23 anos não conseguiu manter o nível. Em sua primeira temporada no Crystal Palace, não engrenou e sequer se firmou como titular. De qualquer forma, segue como um grande talento que pode vir a ser um dos destaques do elenco.


Everton

Após dois anos batendo na trave com o oitavo lugar, o Everton parece ainda mais preparado para voltar a disputar uma competição europeia. No papel, não apenas o time é bom como também o elenco, que ainda ganhou mais opções. De titular, saiu apenas Idrissa Gueye, enquanto que os Toffess fizeram um bom caixa com a venda de dois atletas que estavam emprestados: Ademola Lookman e Nikola Vlasic. Para repor a perda mais significa, o clube investiu em um nome bem interessante – o volante Jean-Philippe Gbamin, que vinha de boas temporadas pelo Mainz, além do versátil Fabian Delph, ex-Manchester City. Os atacantes Moise Kean e Alex Iwobi e o lateral-direito Djibril Sidibé também chegam para jogar regularmente. O goleiro Jonas Lössl aumenta a sombra para o inquestionável Jordan Pickford.

 Craque: Richarlison

A ‘Dança do Pombo’ caiu no gosto do lado azul de Liverpool. Uma grande temporada de estreia na Inglaterra pelo Watford levou o atacante de 22 anos ao Everton, que pagou 39,2 milhões de euros por ele. Richarlison retribuiu com ótimas atuações e 13 gols, desempenho que o fez começar a Copa América como titular da seleção brasileira. Em menos de três anos, o valor do jogador saltou de 2 milhões para 50 milhões de euros, segundo o site Transfermarkt.

 Fique de olho: Moise Kean

Revelado pela Juventus, o atacante mostrou ser uma promessa quando, aos 16 anos, tornou-se o primeiro nascido neste milênio a jogar uma partida de Uefa Champions League. Desde então, ele foi virando realidade. Porém, o espaço concedido era pequeno, tendo disputado apenas 21 partidas – anotou oito gols – pela equipe principal. Em meio a isso, chegou a ser emprestado ao Hellas Verona e também acumulou partidas pela seleção italiana. Contratado por 27,5 milhões de euros, o atleta de 19 anos tem a chance de jogar regularmente e mostrar que o talento do futuro alcançou o presente.


Leicester City

Desde a conquista épica do título em 2016, o clube passou a frequentar o meio de tabela. De qualquer forma, seu desempenho em 2018-19 foi melhor do que nas duas campanhas anteriores em termos de pontos – foram 52, que fizeram os Foxes terminarem em nono. Apesar de uma queda no meio do campeonato, que ocasionou a saída do treinador Claude Puel. A realidade de coadjuvante não parece que mudará em 2019-20, ainda que defensivamente o time tenha sofrido uma baixa enorme com a venda de Harry Maguire ao Manchester United por 80 milhões de libras. O setor ofensivo, por outro lado, foi fortalecido com a chegada de Ayoze Pérez por 33,4 milhões de euros. No meio de campo, a contratação de Dennis Praet foi uma ótima notícia para o torcedor no dia de fechamento do mercado.

 Craque: Jamie Vardy

Muitos dos personagens do título de 2016 já deixaram o King Power Stadium, mas o atacante segue. E continua fazendo gols. Foram 51 (e dez assistências) em 106 jogos nas três edições seguintes. Na última temporada, o atleta de 32 anos foi às redes 18 vezes, quatro a menos do que os artilheiros, e contribuiu com passes para outros quatro gols.

 Fique de olho: James Maddison

Contratado por 25 milhões de euros junto ao Norwich no meio de 2018, o camisa 10 justificou o investimento rapidamente. O meia de 22 anos foi o líder em chances criadas, com 100, marcou sete gols, deu sete assistências e ainda foi o 17º que mais dribles certos deu (50). Tal desempenho lhe rendeu uma convocação para jogos da seleção inglesa em outubro de 2018.


Liverpool

 Craque: Virgil van Dijk

Ficar 519 dias e 65 jogos sem levar um drible não é por acaso. O zagueiro holandês foi um dos pilares no sucesso do Liverpool, tanto que acabou eleito pela Associação de Jogadores o melhor atleta da última Premier League e é um dos finalistas ao prêmio da Fifa de melhor do mundo em 2019. Hoje, os 84,65 milhões de euros desembolsados por ele em janeiro de 2018 parecem pouco.

 Fique de olho: Rhian Brewster

O atacante de 19 anos, que ainda está por estrear pela equipe principal do Liverpool oficialmente, gera uma grande expectativa pelo que já alcançou com a seleção inglesa. Vice-campeão europeu sub-17 em 2017, ele faria parte também do elenco que conquistou o Mundial da categoria no mesmo ano, sendo o artilheiro (oito gols) e eleito o terceiro melhor jogador do torneio. Nesta pré-temporada, Brewster esteve em campo nos sete amistosos dos Reds, marcando quatro gols e dando uma assistência.

Liverpool, Tottenham, Manchester City? Michael Owen aposta no campeão da Premier League e monta G4


Manchester City

100 pontos em um ano, 98 pontos no outro. O atual bicampeão inglês parece inalcançável e cada vez melhor. Trata-se de um time sempre mais ligado à filosofia de Pep Guardiola, e agora com um ‘upgrade’ nas laterais com a chegada de Angeliño – que vem de ótimas temporadas na Holanda – e João Cancelo para as vagas de Fabian Delph e Danilo. O meio de campo ganhou Rodri, contratado por 70 milhões de euros junto ao Atlético de Madrid. A grande perda é o impacto da liderança do capitão Vincent Kompany. Ganhar do City em um campeonato de pontos corridos é quase impossível. E, ao que tudo indica, ficará ainda mais complicado.

 Craque: Sergio Agüero

Quando Gabriel Jesus chegou ao Manchester City, Sergio Agüero parecia destinado a uma transição em sua carreira – o banco ou outro clube. Porém, ele não é considerado por muitos o maior jogador da história do clube à toa. O argentino renasceu e reviveu o protagonismo. Na última temporada, fez 21 gols, a um de ser o artilheiro da competição, e dá para dizer que o fator sorte o impediu de tal feito. Vale destacar que ele fez gols importantes, como hat-tricks contra Chelsea e Arsenal, além de ter balançado as redes em triunfos contra Manchester United, Liverpool e tamém diante do Brighton, no jogo do título. De quebra, deu mais oito assistências. Aos 31 anos, Agüero voltou à condição de um dos maiores nomes da Premier League no presente.

 Fique de olho: Phil Foden

“É o jogador mais talentoso que eu já vi”. As palavras de Pep Guardiola, em julho, mostram o tamanho da expectativa que há no meio-campista de 19 anos. Eleito o melhor jogador do Mundial sub-17 em 2017, que foi vencido justamente pela Inglaterra, Foden tem conquistado mais espaço no City. Após ter disputado dez partidas em 2017-18, sendo três como titular, ele atuou 26 vezes em 2018-19 – 11 como titular – e fez sete gols.

Manchester City, Liverpool… Premier League já tem favorito? O próprio Guardiola te responde


Manchester United

Após um grande início e uma queda de rendimento, Ole Gunnar Solskjaer poderá implantar seu trabalho de uma forma mais adequada agora. Tecnicamente, o United não transmite muita confiança, mas mostrou-se um time competitivo na última Champions, eliminado o Paris Saint-Germain, por exemplo. As chegadas de Wan-Bissaka e Harry Maguire devem deixar mais capacitado um setor defensivo que foi apenas o 11º menos vazado no último Inglês. Pensar em voltar ao topo da Inglaterra não parece ser algo para esse ano, mas, sim, um jogo com mais repertórios.

 Craque: Paul Pogba

O meio-campista ainda não justificou totalmente os 105 milhões de euros nele investidos em 2016. De qualquer forma, é a maior referência técnica e continua sendo a principal peça que pode fazer o United subir alguns degraus. Mesmo sem ter sido brilhante no geral, o francês de 26 anos soma expressivos 31 gols e 29 assistências em 135 jogos desde o seu retorno.

 Fique de olho: Daniel James

O meia-atacante de 21 anos ganhou espaço no time principal do Swansea na temporada passada e virou titular absoluto, marcando quatro gols e dando sete assistências na última edição da segunda divisão. Em meio a este desempenho, estreou na seleção galesa no fim de 2018 e esteve nas duas últimas convocações, sendo titular em três de quatro partidas. Não foi só a seleção que ficou interessada no atleta de 21 anos, já que o Manchester United pagou 17 milhões de euros para contar com ele.


Newcastle United

O hoje coadjuvante na Premier League foi um dos times mais afetados pelo mercado da bola. Ao perder Salomón Rondón, que estava emprestado pelo West Bromwich, e Ayoze Pérez, que foi vendido ao Leicester City por 33,4 milhões de euros, o Newcastle ‘perdeu’ 23 dos 42 gols que marcou na última edição do campeonato. Para compensar, pagou 44 milhões para tirar Joelinton do Hoffenheim e ainda se reforçou com Allan Saint-Maximin, ex-Nice, que custou 18 milhões de euros. Também chegou o lateral-esquerdo/ala Jetro Willems, preenchendo o espaço deixado por Kenedy, que estava cedido pelo Chelsea. Além disso, o meio-campista Mohamed, que se transferiu ao Al Ahli, do Catar, será outra baixa sentida.

 Craque: Miguel Almirón

Com 13 gols e 16 assistências em 37 partidas, o meia teve participação fundamental para que o Atlanta United fosse campeão da Major League Soccer em 2018. Tal desempenho chamou atenção do Newcastle, que desembolsou 24 milhões de euros por ele. Principal nome da atual geração do futebol paraguaio, o habilidoso atleta de 25 anos chegou em janeiro de 2019 e só teve a oportunidade de atuar em dez rodadas da última Premier League, até por ter perdido três partidas por lesão. Agora chegou o momento de brilhar na Terra da Rainha.

 Fique de olho: Joelinton

A lacuna deixada por Rondón, responsável por 11 gols e sete assistências no Inglês em 2018-19, irá ser suprida pelo brasileiro, que acaba de se tornar a contratação mais cara da história dos Magpies. Depois de ter retornado de empréstimo do Rapid Viena, o jogador de 22 anos foi muito importante no Hoffenheim, com 11 gols e sete assistências em 35 partidas. Na avaliação da revista alemã Kicker, ele teve a sexta melhor nota da Bundesliga 2018-19 entre os atacantes.


Norwich City

Na Championship, um dos campeonatos mais difíceis da Europa, o Norwich ficou entre as duas primeiras posições da 16ª até a 46ª e última rodada – tendo caído ao terceiro lugar apenas por uma jornada. De quebra, acabou como campeão. A expectativa do torcedor no retorno à Premier League fica ainda maior depois que o clube manteve todo o elenco – saíram apenas atletas que atuaram poucos minutos na temporada ou sequer entraram em campo. Além disso, o plantel ganhou algumas peças interessantes, como na ótima oportunidade de contratar o goleiro Ralf Fährmann, que perdeu espaço no Schalke 04, e o atacante Josip Drmic, da seleção suíça.

 Craque: Teemu Pukki

Artilheiro da última Championship com 29 gols, Pukki ainda deu nove assistências, participando diretamente de mais de 40% dos 93 gols do Norwich na competição. Tal desempenho levou o atacante de 29 anos ser eleito o melhor jogador da liga em 2018-19.

 Fique de olho: Max Aarons

O lateral-direito de 19 anos fez sua estreia em 2018-19 pelo time principal do Norwich e se deu tão bem, que virou titular absoluto (começou em 41 das 46 rodadas da Championship) e acabou incluído para a seleção do campeonato, tendo somado dois gols e seis assistências. Desde setembro de 2018, sempre figura nas convocações da Inglaterra sub-19.


Sheffield United

Nas últimas 25 temporadas, o Sheffield esteve na elite apenas em uma delas, em 2006-07, quando acabou rebaixado por dois gols de saldo a menos do que o Wigan. Em 2016-17, o time ainda estava na terceira divisão. Tais fatores fazem com que o clube seja avaliado em apenas 64,15 ,milhões de euros, o mais baixo desta edição da Premier League. Dessa forma, a missão do atual vice-campeão da Championship será mesmo evitar o rebaixamento.

 Craque: Oliver Norwood

Depois de ter subido à Premier League com o Brighton e com o Fulham, o meio-campista de 28 anos repetiu a façanha com o Sheffield tendo sido titular em 43 das 46 rodadas. Logo em sua temporada de estreia pelo clube, foi peça vital na construção do jogo – encerrou como o segundo jogador que mais toques deu na bola na última Championship (3669), o segundo que mais chances criou (97), o terceiro em passes certos (2450) e ainda contribuiu também com três gols e oito assistências. Tal desempenho o fez ser um dos dois jogadores do Sheffield incluídos na seleção do campeonato, ao lado de Billy Sharp.

 Fique de olho: Oliver McBurnie

O Sheffield investiu 19,1 milhões de euros por Oliver McBurnie, que assim se tornou a contratação mais cara da história do clube. O atacante de 23 anos chega credenciado pelo grande desempenho que teve no Swansea na última Championship, com 22 gols e quatro assistências.



Southampton

Ralph Hasenhüttl assumiu o Southampton na 16ª rodada e pegou um time na zona de descenso, com um ponto de desvantagem. Terminou o campeonato cinco pontos à frente do último rebaixado, mesmo tendo fechado a competição com três empates e duas derrotas em suas últimas cinco rodadas. Podendo organizar sua equipe em uma temporada completa, o austríaco, que teve muito sucesso na Alemanha com Ingolstadt e RB Leipzig, viu sua base se manter por completa e ser reforçada com os jovens atacantes Che Adams (ex-Birmingham) e Moussa Djenepo (ex-Standrd Liège), que juntos custaram mais de 30 milhões de euros.

 Craque: Nathan Redmond

Principal criador de chances (52) e líder em assistências (quatro) do Southampton na última Premier League, Nathan Redmond também foi o terceiro maior driblador da competição (91 acertos). Não à toa, o atacante de 25 anos – que ainda terminou como artilheiro da equipe em toda a temporada com nove gols – é avaliado pelo site Transfermarkt como o jogador mais caro do elenco ao lado de Jannik Vestergaard – 20 milhões de euros.

 Fique de olho: Ché Adams

James Ward-Prwose e Danny Ings foram os artilheiros do Southampton na última Premier League com sete gols cada, menos de um terço do que Che Adams marcou na última Championship pelo Birmingham (22 gols) – desempenho que o fez ser eleito o melhor jogador do time na temporada. Dessa forma, o atacante de 22 anos, que também deu quatro assistências e foi contratado por 16,7 milhões de euros nesta janela, chega como grande esperança de bola na rede.



Tottenham Hotspur

Há quatro anos o Tottenham é um dos quatro melhores da Inglaterra. Em 2018-19, mesmo sem gastar, alcançou a final da Uefa Champions League de forma inédita, sem comprometer uma campanha sólida no Inglês. Ou seja, os grandes reforços dos Spurs em 2018-19 foram a maior absorção da filosofia de Mauricio Pochettino e o maior entrosamento dos jogadores. Essas armas continuam em alta para um elenco que praticamente não foi alterado. De titular, apenas o lateral-direito Kieran Trippier saiu. Além dele, o reserva utilizado Fernando Llorente também não está mais no grupo. Por outro lado, o plantel ganhou a contratação bombástica do meio-campista Tanguy Ndombélé, do Lyon, que custou 60 milhões de euros. No dia final do mercado, mais dois nomes significativos foram anunciados pelos londirnos: o meio-campios Giovani Lo Celso e o promissor meia-atacante Ryan Sessegnon. Por fim, o time londrino atuará a temporada inteira em sua nova e belíssima casa.

 Craque: Harry Kane

Artilheiro da Premier League em 2015-16 (25 gols) e 2016-17 (29 gols) e vice em 2017-18 (30 gols), Harry Kane só não esteve muito próximo na briga em 2018-19 por conta das lesões, que o fizeram perder dez rodadas. Ainda assim, disputou 28 partidas e marcou 17 gols, ficando a cinco de se igualar no topo da artilharia. O camisa 10 é a personificação em campo da era bem-sucedida dos Spurs.

 Fique de olho: Ryan Sessegnon

Campeão europeu sub-19 com a seleção inglesa em 2017, Sessegnon se firmou como um dos jogadores mais promissores do continente. Eleito para o time ideal da segunda divisão em 2016-17 e 2017-18 quando defendia o Fulham, o meia-atacante de 19 anos foi considerado o nono melhor jogador sub-20 do mundo em lista do jornal italiano Gazzetta dello Sport. Com o atleta com contrato só até o meio de 2020, o Tottenham se aproveitou para contratá-lo por ‘apenas’ 27 milhões de euros.


Watford

Desde seu retorno à Premier League, em 2015, o Watford fez sua melhor campanha em 2018-19, fazendo 50 pontos e terminando em 11º. Mas o destaque mesmo foi o vice da Copa da Inglaterra – até então, o time só havia disputado a decisão do torneio em 1983-84. Com a missão de manter o embalo, o elenco foi todo mantido e reforçado com dois veteranos – o zagueiro Craig Dawson (West Bromwich) e o atacante Danny Welbeck (Arsenal) – e dois jovens – o meio-campista Tom Dele-Bashiru (Manchester City) e o atacante Sam Dalby (Leeds United). Porém, a grande novidade do mercao para o torcedor foi o atacante Ismaila Sarr, ex-Rennes, que custou 30 milhões de euros.

 Craque: Gerard Deulofeu

A promessa do Barcelona é realidade no Watford. O sucesso do Watford na última temporada passou pelos pés do talentoso meia-atacante espanhol, que foi o artilheiro da equipe na temporada, com 12 gols. Além disso, o espanhol de 25 anos terminou a Premier League com cinco assistências, uma menos do que Abdoulaye Doucouré e José Holebas, que foram os líderes do time no quesito. Por fim, Deulofeu deu 47 dribles certos no Inglês e liderou o time nesta estatística.

 Fique de olho: João Pedro

Quando a Premier League começar o torcedor do Watford destinará um pouco de sua atenção também para o que ocorre no Brasil. Pelo menos por alguns meses. Afinal, o atacante João Pedro, de 17 anos, irá se juntar ao elenco apenas em janeiro, após ter sido contratado por 2,5 milhões de euros ainda em outubro de 2018. No Fluminense, o jogador tem encantado e soma impressionantes nove gols em 18 jogos. O torcedor do Watford já sabe o que ganhará de Natal em 2019.


West Ham United

Depois de sua volta à elite do futebol inglês, o West Ham se estabeleceu bem na Premier League, nunca terminando atrás do 13º lugar. Na temporada passada, a equipe de Londres foi a décima, ficando a cinco pontos de uma vaga na Liga Europa – algo para se valorizar em um campeonato em que seis clubes estão em alguns degraus acima dos demais. O sólido elenco teve uma baixa significativa com a saída do atacante Marko Arnautovic – reservas como o meio-campista Pedro Obiang e o atacante Lucas Pérez, entre outros, são perdas menos sentidas. Por outro lado, o West Ham desembolsou 68 milhões de euros para contar com o atacante Sébastien Haller, do Eintracht Frankfurt, e o meia Pablo Fornals, do Villarreal.

 Craque: Felipe Anderson

O meia de 25 anos mostrou-se muito à vontade em sua primeira temporada na Inglaterra, após chegar com grande expectativa pelos 38 milhões de euros investidos. Foram nove gols, quatro assistências, 75 dribles certos (sexto melhor na liga) e 65 chances criadas (13º na liga) em 3053 minutos em campo, sendo o jogador que mais atuou pelo West Ham na última Premier League – foi titular em 36 das 38 rodadas.

 Fique de olho: Declan Rice

Depois de ter virado titular com zagueiro na reta final da temporada 2017-18, Declan Rice se estabelceu entre os 11 iniciais na condição de volante em 2018-19 e encantou tanto a ponto de fazer parte das duas últimas convocações da Inglaterra, atuando três vezes – antes, havia disputado três amistosos pela Irlanda. Aos 20 anos, o atleta nascido em Londres foi eleito o jogador jovem do West Ham em 2017 e 2018 e o jogador jovem da Irlanda em 2019. Pelo site Transfermarkt, é avaliado em 45 milhões de euros.


Wolverhampton Wanderers

Campeão da segunda divisão em 2017-18 com o grande trabalho de Nuno Espírito Santo, o Wolverhampton manteve o grande desempenho em seu retorno à elite com o sétimo lugar, que o classificou à Liga Europa e representou o seu melhor desempenho na primeira divisão desde a sexta colocação de 1979-80. Para 2020, o clube manteve toda sua base e ainda investiu quase 100 milhões, acrescentando ao elenco jovens como os atacantes Pedro Neto (Lazio), Patrick Cutrone (Milan), o meia Bruno Jordão (Lazio) e o zagueiro Jesús Vallejo. O torcedor tem motivo para crer em mais uma campanha sólida.

 Craque: Raúl Jiménez

13 gols, sete assistências e participação direta em quase metade dos 47 gols do Wolverhampton na última Premier League. Com isso, o clube desembolsou 38 milhões de euros e fez de Raúl Jiménez a contratação mais cara de sua história. Argumentos não faltam para que o atacante mexicano de 28 anos seja o nome que causa maior preocupação aos adversários.

 Fique de olho: Rúben Neves

O meio-campista de alto nível técnico surgiu entre os profissionais muito cedo no Porto. E é cada vez mais uma promessa que virou realidade. Com 11 gols, cinco assistências e uma titularidade absoluta nas duas temporadas desde que chegou à Inglaterra, o atleta de 22 anos tem sido nome constante nas convocações de Portugal. Com ótimo passe e grande capacidade para organizar seu time, ele é peça vital no sucesso do Wolverhampton.

Fonte: espn