Foto reprodução

Todos nós temos os nossos limites, alguns a gente conhece bem, outros são ilustres desconhecidos, até que se precise ultrapassar algum deles.

Na Bíblia encontramos várias pessoas e seus limites, mas também vemos Deus levando as pessoas a irem além de seus limites conhecidos. O limite de Moisés, por exemplo, foi o Mar Vermelho, Moisés foi além de seus limites quando voltou para o Egito e teve de se colocar contra Faraó, que era uma espécie de irmão de criação dele.

Não foi fácil para Moisés suportar a angustia de ver o seu povo submetido a mais mal tratos, quando as dez pragas começaram a acontecer no Egito, mas não era esse o seu limite, nem mesmo quando ele teve que ficar do lado oposto de sua mãe egípcia e de todos os seus familiares egípcios para cumprir a vontade de Deus. Nada daquilo, por pior que fosse, era o limite de Moisés. O limite de Moisés foi mesmo o Mar Vermelho.

Quando Moisés viu o seu povo entre o Mar e o exército egípcio, ele se desesperou e clamou a Deus e a resposta do Senhor foi dura e decisiva, veja: “Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem. E tu, levanta a tua vara, e estende a tua mão sobre o mar, e fende-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco. “(Êxodo 14:15,16). Aquilo parecia um “beco sem saída”, não havia para onde escapar, aquele foi o limite que Moisés não conhecia e nunca imaginou acontecer.

Quer outro exemplo? Ana, mãe de Samuel. Ana era casada com um homem chamado Elcana, que também era casado com outra mulher chamada Penina. Penina era fértil e Ana estéril, mas Elcana amava Ana muito mais do que Penina e sofria com ela sua esterilidade, até porque, Penina humilhava Ana por não ter filhos. Você sabe como funcionava naquele tempo, uma mulher que não conseguia ter filhos era humilhada pela sociedade, não era aceita nem por seu marido e esta, provavelmente, era a razão de Elcana ter outra esposa: a esterilidade de Ana.

Aquele era o limite de Ana, a esterilidade, então Ana orou incessantemente ao Senhor pedindo um filho e de tal forma orou em seu coração, só movendo os lábios, que certa vez o sacerdote Eli achou que Ana estava bêbada e a repreendeu, leia: “E disse-lhe Eli: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti o teu vinho. “ (1 Samuel 1:14). Ana explicou que não estava bêbada, apenas orava em seu coração, movida pelo grande desgosto que abatia a sua lama. O limite de Ana era a esterilidade, mas Deus removeu este limite e deu a Ana, não somente um filho, que aliás, foi o maior profeta de Israel: Samuel, com ainda deu a ela outros três filhos e duas filhas.

O que isso significa? Significa que o Senhor conhece o seu e o meu limite, coisa que nem sempre nós mesmos conhecemos, mas Ele está disposto a remover esses limites se verdadeiramente nos entregarmos ao Senhor. Existem muitos outros personagens da Bíblia cujos limites Deus retirou, mas por agora, o importante é saber que o nosso Amado Senhor e Salvador conhece os nossos limites e não faz caso deles quando quer nos abençoar.

Não importa se o nosso limite é a timidez, ou a necessidade financeira, não importa se temos limitações físicas, ou se gozamos de uma saúde de ferro. Muitas vezes, a pessoa com saúde de ferro não se deixa usar pelo Senhor, ao passo que alguém com sérios limites físicos, é um servo disposto a ser usado por Deus. Não se esqueça de que somente aqueles que se dispõem em serem usados, serão instrumentos do Senhor na Sua Obra, Deus é muito educado e não vai invadir sua vida e sua vontade.

Qual é o seu limite? O que é intransponível para você? Coloque no altar, porque se for da vontade do Senhor, Ele fará você ultrapassar todos os limites para alcançar a vitória que Ele tem para você e para mim, mas é aquilo que você já sabe: o primeiro passo é crer que Jesus veio em carne, que Ele é Deus, é o Filho de Deus e Deus O ressuscitou dos mortos e Jesus vive para sempre! Se você é capaz de crer desta forma, então você se torna filho de Deus e aí, o céu é o limite!

“Com as informações do Sombra do Onipotente