O apresentador Ratinho disse que "está na hora dos homens dos botões dourados" voltarem ao poder Imagem: Reprodução

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Ratinho surpreendeu com uma declaração chocante em defesa da intervenção militar no Brasil “igual a de Singapura”. Para ele, a atitude limparia o país.

Além disso, saiu em apoio ao que fez o ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, que tirou os mendigos das ruas na década de 1990.

Eu sei que o que vou falar aqui pode até chocar, mas está na hora de fazer igual fez em Singapura”, disse durante o programa Turma do Ratinho, na rádio Massa FM. “Entrou um general, consertou o país e, um ano depois, fez eleições. Mas primeiro concertou, chamou todos denunciados e disse: ‘vocês têm 24 horas para deixar o país ou serão fuzilados’. Limpou Singapura”, contou.

O modelo mencionado por Ratinho foi aplicado por Lee Kuan Yew, que transformou Singapura em uma ilha economicamente forte e espelho social para o mundo. O trabalho foi feito ao longo de 30 anos como primeiro-ministro.

Lee, no entanto, assegurou um controle rígido de liberdades individuais, punição a homossexuais, pena de morte para alguns crimes e até chibata como forma de punição. Ele venceu economicamente, mas jogou fora o lado democrático do país e, por isso, Singapura recebeu o título de “Disney com pena de morte”.

A solução de Giuliani foi a seguinte, segundo o apresentador do SBT: “Ele tirou todos os moradores de rua e deu um lugar para os caras se virarem. Ele limpou tudo e a imprensa ficou a favor dele. Aqui, se mexer com morador de rua, a imprensa cai em cima do político. Ele começou nos pequenos e chegou no maior”.

*Com as informações do RD1