A China encerrou, nesta quarta-feira (8, no horário local), o bloqueio de Wuhan, metrópole que foi o primeiro epicentro da crise do novo coronavírus (COVID-19).

A medida marca o momento em que a cidade ressurge, enquanto todo o mundo experimenta o pânico causado pela doença.

Mesmo reabrindo suas fronteiras após 76 dias, porém, algumas restrições permanecem dentro de Wuhan e as autoridades alertam que a ameaça de novas infecções ainda está longe de terminar.

A metrópole de 11 milhões de habitantes, onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez em dezembro de 2019, havia sido isolada do mundo exterior desde 23 de janeiro, em um esforço sem precedentes para conter o que era então um surto de uma desconhecida doença.

A partir desta quarta-feira, residentes e visitantes saudáveis poderão finalmente sair de Wuhan, capital da província de Hubei, com trens e voos retomados e entradas de rodovias reabertas.

A autoridade ferroviária de Wuhan estimou que mais de 55.000 passageiros deixarão Wuhan de trem na quarta-feira, com cerca de 40% com destino à região do Delta do Rio das Pérolas, um importante centro industrial na China, segundo a emissora estatal CCTV.

O alívio das restrições de viagem a Wuhan é o mais recente marco na luta da China contra a COVID-19. O país relatou quase zero novas infecções locais nas últimas semanas, o que levou à abertura do resto da província de Hubei – com exceção da capital – no fim do mês passado.

Luo Ping, um oficial de controle de epidemias em Wuhan, disse à CCTV no domingo que o levantamento do bloqueio marca um “reinício total” das atividades econômicas e sociais da cidade a partir de sua “suspensão” anterior. Mas ele alertou que Wuahn enfrentará uma tarefa árdua para impedir casos importados e a recorrência de infecções locais.

“Depois que o trabalho e a produção foram retomados, o movimento de pessoas aumentou e o risco de infecções cruzadas cresce com reuniões de massa. Alguns moradores já baixaram a guarda e não usam máscaras quando saem pelas ruas”, disse ele à emissora.

“A reabertura de Wuhan não significa que tudo está bem, nem deve representar o relaxamento das medidas de prevenção e controle de epidemias (dentro da cidade)”, disse ele.

Povo ‘heróico’

Wuhan, um grande centro industrial nas margens do rio Yangtze, registrou mais de 50.000 infecções e mais de 2.500 mortes, representando 77% de todos os óbitos por coronavírus na China, segundo a Comissão Nacional de Saúde.

À medida que o surto varreu a cidade, rigorosas medidas de controle de epidemias foram estabelecidas – algumas das quais seriam introduzidas posteriormente em todo o mundo à medida que o vírus se espalhasse por mais de 200 países e territórios, infectando mais de 1,4 milhão de pessoas no mundo todo.

Por mais de dois meses, o transporte público em Wuhan foi suspenso, as empresas foram fechadas e milhões de moradores ficaram confinados em suas casas e comunidades residenciais – nem mesmo autorizados a sair para fazer compras no mercado.

As medidas draconianas aparentemente funcionaram. Em meados de março, o número de novas infecções havia diminuído para milhares de pessoas por dia, em meados de fevereiro. Em uma grande demonstração de confiança, o presidente chinês Xi Jinping visitou Wuhan em 10 de março, elogiando a cidade e seu povo por serem “heróicos”.

Pessoas próximas ao rio Yangtze, na cidade de Wuhan, em 6 de abril. Nas últimas semanas, as autoridades facilitaram gradualmente algumas das medidas de bloqueio, permitindo que um número limitado de moradores circule
Foto: HECTOR RETAMAL/AFP/AFP/Getty Images

Volta à normalidade,

Nas últimas duas semanas, a vida em Wuhan ganhou gradualmente alguma aparência de normalidade.

Residentes com um código QR verde atribuído pelo governo em seus telefones celulares – o que significa que eles são saudáveis e seguros para viajar – têm permissão para voltar ao trabalho desde que seus empregadores lhes enviem uma carta.

Em comunidades residenciais onde nenhum caso novo foi relatado por 14 dias, uma pessoa por família com um código QR verde pode deixar seus condomínios por duas horas por dia.

Desde 25 de março, os ônibus públicos começaram a retomar o serviço; três dias depois, trens subterrâneos também começaram a circular. Empresas e lojas reabriram gradualmente, e carros e pedestres retornaram às ruas outrora desertas da cidade.

Luo, da equipe governamental de combate ao vírus, disse à CCTV que 10.641 fábricas e negócios em grande escala na cidade reabriram em 3 de abril, representando 91,4% do total.

Na segunda-feira, houve até uma longa fila fora do Centro de Sangue de Wuhan, após uma chamada do governo municipal para que os cidadãos doassem seu sangue, informou o jornal estatal Diário do Povo. O centro recebeu 874 doadores em um dia.

As autoridades alertaram, no entanto, que as restrições às comunidades residenciais permanecerão em vigor após o fechamento do bloqueio na quarta-feira.

Para deixar seus condomínios, os moradores ainda precisam produzir um código QR verde e uma carta de seus empregadores.

“Por enquanto, ainda pedimos aos cidadãos que permaneçam vigilantes da epidemia, não saiam a menos que seja necessário, usem máscaras e protejam-se adequadamente quando o fizerem”, disse Luo à CCTV.

Ameaça de retorno do vírus

Especialistas chineses em saúde também instaram o público a continuar a praticar cautela.

Zeng Guang, epidemiologista chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, disse ao Health Times na quinta-feira que a China ainda não havia visto o fim da epidemia.

“A China não está perto do fim, mas entrou em um novo estágio. Com a epidemia global, os chineses seguem ameaçados”, afirmou.

Com o número de infecções globais continuando a aumentar, um número crescente de casos foi importado de volta para a China do exterior – muitos deles estudantes e trabalhadores chineses ansiosos para voltar para casa.

Até terça-feira, 698 casos de coronavírus importados foram relatados pelas autoridades chinesas. As preocupações também têm aumentado nas últimas semanas em relação a portadores assintomáticos.

Na China, apenas os pacientes que apresentam sintomas e resultados positivos em testes nucleicos são incluídos no registro oficial de casos confirmados. Pacientes assintomáticos com resultado positivo são monitorados e colocados em quarentena até que desenvolvam sintomas ou se tornem negativos em testes posteriores.

Em meio a crescentes preocupações públicas, o governo chinês começou a anunciar um número diário separado de transportadoras assintomáticas na semana passada. Desde então, dezenas de novos portadores assintomáticos foram encontrados em Wuhan todos os dias, com 673 atualmente sob observação médica.

“Embora, por enquanto, pareça que a infecciosidade dos casos assintomáticos seja relativamente baixa, eles ainda são infecciosos e devemos estar vigilantes”, disse Yang Jiong, especialista em respiração do Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan, ao Health Times nesta segunda-feira.

Enterrando os mortos

Além do alívio das restrições de viagem, há outro sinal de que Wuhan está começando a sair da crise: a cidade começou a enterrar seus mortos.

Durante meses, os moradores não puderam enterrar seus entes queridos, pois o governo proibiu todos os funerais e fechou cemitérios em 25 de janeiro. Os restos de milhares de pessoas que morreram de coronavírus e outras causas foram armazenados em casas funerárias. As famílias foram instruídas a aguardar conselhos do governo sobre quando poderiam ser coletadas.

Muitos não conseguiam ver o corpo de seus amigos ou familiares antes da cremação. Para conter a propagação do vírus, todos os corpos de pacientes com coronavírus confirmados e suspeitos foram levados diretamente dos hospitais às casas funerárias para serem cremados, de acordo com um aviso emitido pela Comissão Nacional de Saúde.

Como tudo na cidade, o processo normal para lidar com a dor foi suspenso.

No final de março, os moradores de Wuhan finalmente conseguiram recuperar as cinzas de seus parentes das funerárias e encontrá-los como um local de descanso, relatou o Changjiang Daily, jornal estatal, citando um funcionário da Secretaria Municipal de Assuntos Civis.

A notícia veio logo à frente do Ching Ming, também conhecido como Dia da Varredura do Túmulo, o festival chinês mais importante para homenagear os mortos.

Manchetenet com informações/CNN