“Infelizmente, o presidente ignora a realidade das escolas, a rotina de exaustão, depressão e violência que professores e alunos estão sendo submetidos. Mas a luta não parou por aí”, comentou a parlamentar.

Na justificativa do veto, o Executivo diz que a proposta cria despesas obrigatórias “sem que se tenha indicado a respectiva fonte de custeio, ausentes ainda os demonstrativos dos respectivos impactos orçamentários e financeiros”.

A expectativa da deputada é que o veto seja derrubado na Câmara dos Deputados.

“O veto do Presidente volta para a Câmara dentro de 30 dias e vamos derrubá-lo com ampla maioria! Vamos trabalhar pra isso”, diz Rejane.

O projeto foi proposto pelo ex-deputado José Carlos Elias.