Em sua delação, Antonio Palocci deu detalhes sobre esquemas contra investigação


Em sua delação, Antonio Palocci deu detalhes sobre a articulação comandada pelo ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, na anulação da Operação Castelo de Areia. Ele citou ainda o nome de Dilma Rousseff, afirmando que a petista foi beneficiada por um repasse de R$ 50 milhões da Camargo Corrêa para a campanha presidencial de 2010.

O acerto da verba teria sido comunicado em uma reunião com Palocci e Dilma, na época em que ela ocupava o cargo de ministra da Casa Civil. O delator disse ainda que o dinheiro acabou pulverizado como doações para vários candidatos do Partido dos Trabalhadores.

O nome do ex-presidente do STJ, César Asfor Rocha, que foi responsável pela liminar de suspensão da operação, também foi mencionado por Palocci. Ele teria recebido R$ 5 milhões da Camargo Corrêa. O valor teria sido depositado na conta de um familiar dele, que vive no exterior. Entretanto, Rocha negou envolvimento no esquema.

A Operação Castelo de Areia foi comandada pela Polícia Federal, em 2009, e investigou crimes financeiros e lavagem de dinheiro, tendo como alvo central o Grupo Camargo Corrêa.

Com as informações do Pleno News.