Em todo o país, trabalhadores de vários setores como transporte, bancários e professores aderiram à greve geral nesta sexta-feira (14) contra o projeto de reforma da Previdência do Governo de Bolsonaro (PSL). Em Teresina, a concentração acontece em frente ao prédio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na Praça da Rio Branco, centro da capital. Os ônibus vão parar de circular às 7h30 e devem retornar após o término do ato, que não tem horário exato.  Após pronunciamentos de abertura, os manifestantes seguem em caminhada pelas ruas de Teresina. Haverá parada na frente da Prefeitura de Teresina, dos Correios e do Palácio de Karnak. 

O Sindicato do Trabalhadores Rodoviários (Sintetro),  informou que aderiu à paralisação, mas que os ônibus não irão parar exatamente por este motivo. “Vamos participar do movimento como qualquer outro sindicato, mas os ônibus vão parar porque todo o trajeto da manifestação é justamente por onde os ônibus passam. Então é impossível os ônibus rodarem durante a manifestação. A previsão é que voltem a circular por volta das 13 horas”, disse Fernando Feijão, presidente do Sintetro.

A Greve Geral é organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais centrais sindicais (CTB). O movimento ganhou a adesão de diversas categorias de trabalhadores, dos movimentos sociais e atos estão previstos nos 26 estados da federação.   Em âmbito nacional, cerca de 4,5 milhões de trabalhadores da educação pública devem parar na greve geral, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

Categorias que aderiram oficialmente à greve no Piauí:

  1.  URBANITÁRIOS
  2. EDUCAÇÃO
  3. MUNICIPAIS
  4. BANCÁRIOS
  5. METROVIÁRIOS
  6. FAZENDARIOS
  7.  UFPI
  8. IFPI
  9. ADCESP
  10. CONSTRUÇÃO CIVIL
  11. SAÚDE
  12. RODOVIÁRIOS
  13. COMERCIÁRIOS
  14. POLICIA RODOVIÁRIA FEDERAL
  15. POLÍCIA CIVIL
  16. RURAIS
  17. SINTETRO

Fonte: Sintetro/CUT/Piauí Hoje