Não bastassem a cúpula partidária presa por formação de quadrilha; as novas delações bombásticas (como a de Palocci);

as novas denúncias (como na CPI do BNDES); as vaias e protestos contra petistas dentro de aviões, aeroportos e restaurantes; as apostas contraproducentes no quanto-pior-melhor; e as sucessivas derrotas no Congresso Nacional; o PT ainda enfrenta o chamado “fogo amigo”, precisando apagar incêndios que surgem nos conflitos entre petistas na disputa interna do partido.

Exemplo disso aconteceu em Pernambuco, onde o secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, Dilson Peixoto (ex-presidente do PT-PE), ligado ao grupo do senador petista Humberto Costa, chamou a deputada Marília Arraes (PT), de “menina mimada”, em uma entrevista de rádio no interior de Pernambucano.

Para “Dilsinho”, como o petista é conhecido, Marília Arraes teria “birra pessoal” contra o governador Paulo Câmara (PSB), acusando-a também de egoísta, “Marília só pensa no “próprio umbigo”.

O secretário disse ainda que o jeito de Marília fazer política seria amador. “Na minha opinião é o jeito amador, que quer ganhar no grito”, afirmou.

Dilson relembrou que Marília tentou concorrer ao governo de Pernambuco em 2018 no grito e que agora repete a mesma tática. “Tentou ganhar no ano passado no grito e deu no que deu. Agora repete a mesma tática, de ficar nervosa com entrevista, de ameaçar sair de entrevista, [porque] ‘se não for o que eu quero’… Parece mais àquela menina mimada que sempre o pai e a mãe sempre deu tudo, aí quando não é do jeito que quer, então ameaça fazer confusão e por aí vai”, detonou.

Em 2018, a candidatura de Marília Arraes foi abortada em articulação que envolveu Humberto Costa, o ex-governador Fernando Pimentel e o próprio Lula, que estavam de olho no apoio do PSB. Dos petistas contra Marília, Humberto foi o único a levar vantagem, conseguindo ser reeleito senador.

Defendida pelo pai — “Ela nunca foi mimada porque não tive condições de mimar meus filhos. Marília é uma mulher competente e trabalhadora, ao contrário dele, que é uma pessoa frustrada e sem voto”, respondeu o pai de Marília Arraes, Marcos Arraes, taxando a fala do secretário petista de agressão gratuita e sem sentido. “Todo mundo conhece esse senhor. Ele só vive na coleira do senador Humberto Costa, que arrasta ele para onde quer”, acrescentando, “Além de invejoso, todos sabem da imensa preguiça da qual ele é portador. Quando ‘trabalhava’ na Embratel não deu um dia sequer de trabalho”.

Nota oficial do PT — “O Partido dos Trabalhadores tem na sua democracia interna uma de suas maiores riquezas. E é justamente em nome dessa democracia que estranhamos e repudiamos as recentes declarações do companheiro de partido Dilson Peixoto, que hoje ocupa o cargo de secretário de Desenvolvimento Agrário e Agricultura de Pernambuco, atacando a deputada federal Marília Arraes (PT-PE). Ataques pessoais, descabidos e que vão frontalmente de encontro ao trabalho, empenho e importância de Marília não só para nosso partido, mas para Pernambuco e para o Brasil. A luta que temos pela frente é grande demais para que possamos permitir que interesses pessoais, pontuais, que não são aqueles coletivos, partidários, nos tirem do caminho e do lado certo da história. Brasília, 8 de outubro de 2019.”

A nota foi assinada por Gleisi Hoffmann
(Presidente do Partido dos Trabalhadores) e por Paulo Pimenta (deputado federal pelo Rio Grande do Sul, líder do PT na Câmara dos Deputados.


Fonte:cearaemoff