Foto reprodução Jesus

Sim, Jesus ressuscita mortos, mais que isso, somente Ele pode ressuscitar os mortos e fará isso em larga escala quando vier nas nuvens buscar a Sua Igreja e foi assim que Paulo explicou:

 “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. “ (1 Tessalonicenses 4:16). Esta é a ressurreição que antecederá o arrebatamento da Igreja.
Durante todo o Seu Ministério na jornada desta vida, Jesus fez inumeráveis milagres e dentre estes, Ele ressuscitou pessoas comuns, que haviam morrido e voltaram à vida pela palavra do Senhor, como a filha de Jairo, Lázaro e o jovem em Naim, só para citar alguns exemplos.
O problema das pessoas é que só acreditam em Jesus quando alguma coisa extraordinária acontece em suas próprias vidas, mas isso é o oposto da fé que, em resumo, é crer no que ainda não existe. Na vida espiritual a lógica é inversa, como já conversamos aqui, então é preciso crer para ver e não pela lógica humana que é ver para crer.
Acontece que Jesus não ressuscita apenas os mortos, Ele ressuscita vidas. Como assim? É isso mesmo, quando Jesus entra na vida de alguém, Ele ressuscita aquela vida e em todos os sentidos.
Vamos tomar por exemplo os leprosos, Jesus curou vários leprosos, de uma só vez curou dez leprosos, mas sabe de uma coisa? Não se tratava apenas da cura de uma enfermidade avassaladora nos tempos de Jesus, para a qual não havia remédio, tratava-se da vida das pessoas curadas de lepra.
Como não havia medicamentos para curar a lepra e nem para o controle da doença, quando alguém ficava leproso, era também condenado a se afastar da família querida, a não trabalhar mais e viver de esmolas, essa era a lei e os leprosos eram obrigados a viver à parte da sociedade, em cavernas, com as dores da lepra e as dores do abandono social.
Sempre que Jesus curava um leproso, Ele não estava apenas curando uma doença incurável, mas estava também ressuscitando a vida em família, o trabalho, a vida social daquela pessoa e lhe dando dignidade. Isso não aconteceu apenas em relação aos leprosos. Naquela época não havia previdência social e ninguém recebia nada do governo quando adoecia, então, cada vez que Jesus curava alguém, Ele estava, na prática, ressuscitando a vida da pessoa e de sua família.
Exemplo disso aconteceu em Cafarnaum, quando Jesus curou o paralítico que foi levado numa cama por quatro amigos. Jesus primeiro curou o interior do homem e disse que seus pecados estavam perdoados e ao final disse: “Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados (disse então ao paralítico): Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa. “ (Mateus 9:6).
Quando Jesus curou (meio que sem querer) a mulher com o fluxo de sangue, Ele ressuscitou a vida familiar daquela mulher. Como sabemos, a lei era muito rigorosa com as mulheres e uma mulher durante seu ciclo menstrual era considerada impura, agora imagine uma mulher que por doze anos teve um fluxo de sangue constante? Ela era considerada impura e envergonhava sua família, mas Jesus ressuscitou a vida familiar daquela mulher.
Da mesma forma acontece até hoje, quando Jesus entra na vida de alguém, primeiro Ele faz a cura interior, perdoa os pecados, cura os traumas, e depois, Ele ressuscita o que precisa ser ressuscitado, mas tudo passa a ser resolvido, não acontece do dia para a noite, é um processo que vai demorar de acordo com cada caso.
O fato é que Jesus não entra na vida de ninguém para não fazer a diferença, para não realizar milagres, para não ressuscitar a vida profissional, familiar ou financeira da pessoa, mas preste atenção, nada acontecerá se seu coração não for de Jesus, portanto, antes que tudo aconteça, você precisa reconhecer Jesus como Salvador. Estamos vivendo o fim dos tempos e o relógio de Deus gira cada dia mais rápido e você não pode mais perder tempo e oportunidade. Creia no Senhor Jesus e Ele mudará o rumo de sua história pessoal.
Fonte:sombradoonipotente